EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Os bastidores do Planalto e do Congresso

Lira convence Lula a abrir o cofre e a liberar emendas e cargos em troca de apoio no Congresso

Presidente da Câmara diz a petista que governo precisa ‘entregar’, se quiser ter base sólida; Planalto destrava R$ 10 bilhões, além de ‘restos a pagar’ da gestão Bolsonaro

PUBLICIDADE

Foto do author Vera Rosa
Por Vera Rosa
Atualização:

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), não usou meias-palavras na conversa desta terça-feira, 2, com Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio da Alvorada. Ao falar sobre as CPIs que prometem atormentar o Planalto, como a dos Atos Golpistas, Lira cobrou reciprocidade para garantir governabilidade. No tête-à-tête com o presidente, o líder do Centrão reclamou que os acordos não têm cumprido o tempo da política para sair do papel e disse que o governo precisa “entregar”, se quiser ter apoio e uma base sólida no Congresso.

PUBLICIDADE

As queixas de Lira são vistas no Planalto como forma de pressionar Lula a lhe dar cada vez mais poder. Não é de hoje que o presidente da Câmara exige “instrumentos” para assegurar maioria ao governo, a cada votação. “Não sou João de Deus”, costuma repetir.

Lula prometeu resolver o imbróglio. Primeiro, chamou o titular da Fazenda, Fernando Haddad, e pediu agilidade na solução do problema. Depois, determinou a outros ministros que comecem a liberar R$ 10 bilhões em emendas para deputados e senadores, além dos “restos a pagar” do governo de Jair Bolsonaro.

‘Queixas de Lira são vistas no Planalto como forma de pressionar Lula a lhe dar cada vez mais poder’ Foto: Adriano Machado/Reuters - 11/01/2023

Na prática, desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) decretou o fim do orçamento secreto – ressuscitado agora em novo modelo –, a distribuição desse dinheiro está sob controle do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. “Um sujeito fino e educado, mas que tem tido dificuldades”, disse Lira, em entrevista a O Globo. “Sou fino e educado. Então, não vou responder”, desconversou Padilha.

Os atritos entre os dois vieram à tona após a criação das CPIs dos Atos Golpistas e das invasões do MST e na esteira da guerra envolvendo a frustrada votação do PL das Fake News. Apoiado pelo Planalto, o projeto de lei apresentado para regulamentar as redes sociais virou alvo de um tiroteio que une as bigh techs, como Google e Tik Tok, a deputados aliados de Bolsonaro.

Publicidade

Nos bastidores, Lira também acusou Padilha de não o defender após o ministro da Justiça, Flávio Dino, ter vetado a indicação de João Carlos Mayer Soares, feita por ele para o Tribunal Regional Federal da 1.ª Região. O nome havia sido negociado com o próprio Padilha.

Se pudesse, Lira substituiria o articulador político do Planalto pelo líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE). O presidente, porém, não vai entregar essa cabeça. Na tentativa de acalmar os ânimos, o Diário Oficial da União trará agora nomeações em diretorias de Sudam, Sudene, Dnit e Dnocs, entre outras. Há cerca de 400 cargos de segundo e terceiro escalões nos Estados, ainda não preenchidos.

Aliados do governo acusam o chefe da Casa Civil, Rui Costa, de segurar as indicações, mas ele responde com a necessidade de fazer um “pente-fino” nos nomes apresentados. Diante de tanta crise, ninguém percebeu, mas Lira demorou quase dois meses para pautar o projeto da igualdade salarial entre homens e mulheres, que havia sido enviado pelo Planalto em regime de urgência. “Estava todo bichado”, justificou ele à coluna. Há mesmo muitos jabutis rondando a Praça dos Três Poderes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.