PUBLICIDADE

Vereadores de SP aprovam proibição de corrida de cavalo com apostas; Jockey Club ameaça ir à Justiça

Conselheiro de Administração do clube disse que assunto é de competência federal e que animais são mais bem tratados que cidadãos quando precisam de saúde pública

Foto do author Heitor Mazzoco
Por Heitor Mazzoco

Vereadores de São Paulo aprovaram nesta quarta-feira, 22, em primeira discussão, projeto que proíbe corrida de cavalo na capital paulista, o que atinge o Jockey Club, que informou levar o caso à Justiça. A proposta aprovada é do vereador Xexéu Trípoli (PSDB) e foi apresentada no ano passado. O tucano afirmou ao Estadão que o projeto visa a proteção animal.

O advogado José Mauro Marques, que faz parte do Conselho de Administração do Jockey Club de São Paulo, afirmou ao Estadão que vai esperar a votação em segundo turno e a decisão do prefeito Ricardo Nunes (MDB) de sancionar ou não a proposta. Caso o projeto prospere, o caso será levado ao Poder Judiciário.

Se projeto for sancionado pelo prefeito Ricardo Nunes, Jockey irá pra Justiça Foto: Porfírio Menezes | Jockey Club

“Não tem competência o município para legislar sobre a matéria. Turfe é de competência federal. E, pelo projeto, o vereador tem preocupação com maus-tratos aos animais. Nós não temos essa preocupação, porque os cavalos são bem tratados, com veterinários. Se comparar o tratamento que um cidadão de poucos recursos recebe da prefeitura em relação à saúde, os cavalos têm muito mais proteção, muito mais cuidado que essas pessoas”, afirmou Marques.

Se comparar o tratamento que um cidadão de poucos recursos recebe da prefeitura em relação à saúde, os cavalos têm muito mais proteção, muito mais cuidado

José Mauro Marques, conselheiro do Jockey Club

PUBLICIDADE

O projeto prevê que os estabelecimentos que operem as corridas com apostas encerrem as atividades em 180 dias. O texto impõe penalidades como advertência para regularização em 30 dias, multa de R$ 100 multiplicada pela capacidade de frequentadores e a suspensão do alvará de funcionamento em caso de descumprimento reiterado.

Na justificativa da proposta, Xexéu Trípoli lembrou que há lei federal que proíbe ainda jogos de azar. “A prática de jogo de azar é proibida em território nacional, que já indica um claro direcionamento para se vedar a prática de apostas, ainda que em resultados esportivos. No entanto, não há (hoje) qualquer vedação quanto ao funcionamento de pistas de corridas com apostas, que se utilizam de animais, tais como o turfe, o que representa um paradoxo visto que outras práticas com animais são proibidas, como rinhas de galos”, afirmou.

O conhecido hipódromo da Cidade Jardim foi inaugurado no aniversário de São Paulo, 25 de janeiro, de 1941, após doação de uma área de 600 mil metros. Atualmente, o Jockey enfrenta problemas financeiros. Em apenas uma ação de cobrança de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), a Prefeitura de São Paulo cobra pouco mais de R$ 100 milhões.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.