PUBLICIDADE

Opinião|Amor pelos pets: por que nossa relação com animais pode ser até mais forte do que com humanos

Além de profundo, o relacionamento que desenvolvemos com os bichos de estimação tende a ser bem menos complicado

Atualização:

THE WASHINGTON POST – A recordação mais dolorosa da minha infância foi o dia em que a minha mãe concordou finalmente em comprar um cãozinho, mas mudou de ideia horas depois. Decidiu que daria muito trabalho. Enquanto crescia, tudo o que eu sempre quis foi um cão ou um gato. Tudo o que tive foi uma tartaruga, inúmeros peixinhos dourados e dois periquitos.

PUBLICIDADE

Não é de estranhar que a primeira coisa que fiz depois de sair de casa foi arranjar um gatinho, um meio-siamês que viveu por quase 20 anos, depois um birmanês que chegou aos 17. Quando os meus filhos já tinham idade suficiente – 10 e 13 anos – arranjamos um cachorro labrador de cor chocolate, tanto para mim como para eles. As crianças cresceram e foram embora, mas a Hershey ficou. Foi a minha primeira cachorra e – sem marido ou companheiro – a minha melhor amiga.

Os anos trouxeram mais meia dúzia de gatos e mais dois cães, Watson, um labrador preto, de aproximadamente seis meses, e Raylan, uma mistura de pastor amarelo, que, aos 4 anos, chegou com uma bala de BB (armas pneumáticas projetadas para disparar projéteis metálicos) na perna e um caso claro de estresse pós-traumático. Com paciência e amor, Ray mudou de um defensivo e medroso cão para um companheiro dedicado e confiante.

Hoje moro com Watson, agora com 10 anos, o rei da busca, o ‘menino da mamãe’ que me segue por toda parte; Chloe, de 15, uma gata de cabelos compridos, mistura da raça Maine Coon, que ama cães mais do que outros gatos; e Zachy, de 10, um gato malhado cinza e preto obcecado por comida – e minhas meias. Todos foram resgatados.

Depois da minha juventude sem animais de estimação, era previsível que eu viesse a ter animais. O que me surpreendeu foi a intensidade dos meus sentimentos por eles e o quanto a minha relação com eles viria a definir a minha vida.

Relação entre animais de estimação e seres humanos pode ser de profundo amor. Foto ilustrativa. Foto: Cristina Conti/Adobe Stock

Fiquei paralisada de dor e culpa (será que fiz o que estava certo?) quando Hershey, aos 13 anos, foi diagnosticada com um câncer avançado não tratável e tive de deixá-la partir. Da mesma forma, fiquei destroçada quando o Raylan, então com 12, e dois dos gatos, o Max, com quase 18, e o Leo, com 15, também desenvolveram câncer e – em um recente curto espaço de tempo – morreram. Atualmente, sinto uma ansiedade intermitente em relação ao Watson, à Chloe e ao Zachy, sendo o termo científico luto antecipatório.

As redes sociais estão repletas de histórias pessoais sobre a ligação animal/humana, especialmente sobre como pode ser difícil dizer adeus. As nossas relações com os nossos animais de estimação são frequentemente tão fortes, e por vezes mais fortes do que as que temos com os humanos, e muito menos complicadas. Isto pode explicar a nossa profunda ligação com eles.

Publicidade

“Muitas vezes, os animais de estimação são a nossa primeira ou mesmo única família escolhida quando deixamos as nossas casas de infância, quando vivemos sozinhos, quando os nossos filhos se vão embora, quando passamos por separações”, afirma Marjie Alonso, antiga diretora executiva da Associação Internacional de Consultores de Comportamento Animal e da Associação Internacional de Consultores de Comportamento Animal (IAABC, da sigla em inglês). “Os nossos animais de estimação proporcionam uma presença constante e estável de uma forma que os humanos não têm.”

Por vezes, os pesquisadores utilizam a teoria do apego para descrever essa relação de ligação entre os seres humanos e os seus animais de estimação, que defende que os seres humanos nascem com uma necessidade inata de criar laços com um prestador de cuidados, normalmente a sua mãe.

“Para muitos donos de animais de estimação, as relações de apego que desenvolvemos são tão emocionalmente próximas e semelhantes em intensidade como um apego humano”, diz Michael Meehan, professor sênior de Ciências Veterinárias na Universidade de Massey, na Nova Zelândia. “Os nossos animais de estimação também apresentam o mesmo comportamento de apego em relação a nós.”

Sandra McCune, professora convidada de interação homem-animal nas escolas de Psicologia e Ciências da Vida da Universidade de Lincoln, na Inglaterra, concorda. “É possível que os animais de companhia tenham sequestrado o nosso desejo inato de criar laços”, afirma. “Eles dependem de nós como uma criança que nunca cresce.”

PUBLICIDADE

Os meus animais, que são meus companheiros, fazem o ritmo dos meus dias - e das minhas noites. Não se trata apenas dos passeios/corridas com o Watson, da sua preocupação interminável com bolas de tênis ou de garantir que a Chloe receba os medicamentos a tempo e que o Zachy tenha a comida especial de que precisa para evitar bloqueios urinários.

São também aqueles momentos deliciosamente doces: Watson, quente nas minhas costas enquanto durmo, e Chloe, que começa no meu estômago, depois se move para a dobra do meu braço quando eu mudo de posição. O Zachy, ainda desconfiado, fica lá em baixo durante a noite, mas espera ao fundo dos degraus e exige o pequeno-almoço assim que nos escuta se mexer.

“Os animais de estimação tendem a ser sempre os mesmos, mesmo nos dias bons e nos dias maus, sendo confiáveis no que são e confiáveis na nossa relação com eles”, afirma Marjie. “As suas próprias necessidades e desejos são fixados em torno da alimentação, do enriquecimento e dos cuidados, centrados em nós, em vez de ‘Será que a minha promoção vai ser concretizada?’, ‘Esqueceu do nosso aniversário’ ou ‘O que quer para o jantar?’”.

Emily Bray, professora assistente de interação humano-animal na Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade do Arizona, concorda. “Quando eles estão sintonizados em nós, você tem toda a atenção deles. Eles não estão a enviar mensagens de texto para os seus celulares”, diz ela.

Os meus filhos têm agora as suas próprias vidas - e os seus próprios gatos - e tomam as suas próprias decisões. Mas os animais de estimação precisam que façamos escolhas por eles, mesmo quando não é fácil. “Os donos de animais de estimação têm que decidir quando chega a hora da eutanásia, o que muitas vezes complica o luto e muitas vezes não existe em relação à morte humana”, afirma Meehan, também conselheiro de luto de animais de estimação. “Ao contrário da morte humana, não existem rituais ou protocolos tradicionais para homenagear um animal de estimação.”

Sandra chama o luto antecipatório de uma resposta normal à perspetiva de perda. “Faz parte do amor que você tem por eles”, diz ela. “Aprecie-os enquanto os tem, crie e guarde memórias para quando eles partirem. Há cães e gatos muito especiais, aqueles que nos roubam o coração, que nos envolvem constantemente na nossa vida e pelos quais mudamos a nossa vida.”

Isso foi verdade para mim e, como se veio a ser revelado, também para os meus pais. Anos após eu e os meus irmãos termos saído de casa, a minha cunhada ofereceu aos meus pais, quando estavam na faixa dos 70 anos, o seu primeiro cão, um cachorrinho da raça cocker spaniel.

Muito trabalho? Talvez. Mas eles estavam muito apaixonados para se importarem.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Opinião por Marlene Cimons

Jornalista baseada em Washington especializada em saúde, ciência e ambiente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.