Andar com sapatos dentro de casa: sim ou não?

Será que a sujeira que chega em nossos lares por meio da sola dos calçados traz algum tipo de ameaça à saúde? Veja o que os especialistas dizem

Por Rachel Kurzius
Atualização:

THE WASHINGTON POST – Tirar os calçados antes de entrar em casa é um sinal de respeito em muitas culturas. Em outras casas, é só um jeito de reduzir o nojinho de trazer para dentro de casa os germes e a sujeira que você encontrou no mundo que se estende da porta para fora.

Quaisquer que sejam as razões, cerca de dois em cada três americanos de fato tiram os calçados quando chegam em casa, de acordo com uma sondagem de maio de 2023 da CBS News / YouGov. Mas, se você está no grupo de quem faz isso pela limpeza, será que é realmente necessário? Nem todos os especialistas concordam.

Com calçados em casa

PUBLICIDADE

Sempre tem alguma coisa de revirar o estômago na sola dos seus calçados, com certeza, provavelmente até mesmo um tanto de matéria fecal. Mas a nojeira que trazemos para dentro de casa não é necessariamente um perigo para a saúde da maioria de nós.

“O corpo humano só tem algumas defesas porque estamos expostos a germes literalmente em todos os lugares”, diz Philip Tierno Jr., autor de The Secret Life of Germs e professor de microbiologia e patologia na Escola de Medicina da Universidade de New York. “As infecções não ocorrem só porque você se expõe a um grande número de germes”.

Ele avalia a probabilidade de contrair algum tipo de infecção por usar calçados dentro de casa como “muito, muito baixa”. Em primeiro lugar, a grande maioria do que você traz não é patogênico, mesmo que seja nojento.

Ainda que a sujeira embaixo dos sapatos não seja potencialmente perigosa à saúde, ela é nojenta Foto: LIGHTFIELD STUDIOS/Adobe Stock

Quanto aos organismos que realmente podem deixar você doente, eles precisam entrar no seu corpo por um conjunto muito específico de circunstâncias (boca, nariz, olhos ou pele ferida) e vencer uma série de proteções corporais, inclusive nosso próprio conjunto de micróbios, que Tierno diz agirem como “sentinelas romanas, por assim dizer, na prevenção ou competição com germes que podem entrar na pele”.

Tierno não se preocupa nem mesmo com famílias com crianças pequenas que podem colocar a boca direto no chão. “As crianças precisam ser expostas a uma variedade de organismos”, diz ele. “A maior parte dos organismos que conhecemos não são patogênicos e ajudam a nossa resposta imunitária. Não é bom viver numa bolha”.

Publicidade

Tierno, sem surpresa, não tira os calçados dentro de casa.

Outra razão para manter os calçados não tem nada a ver com germes. Andar descalço por longos períodos pode causar tensão nos pés, principalmente caminhar e ficar de pé em pisos de madeira.

Como muitos podólogos, Priya Parthasarathy, podóloga credenciada em Silver Spring, Maryland, viu um aumento no número de pacientes com problemas nos pés desde a pandemia. Com mais pessoas passando os dias descalças e trabalhando em casa, ela diz que problemas como fascite plantar e uma inflamação da planta do pé chamada metatarsalgia ficaram mais comuns.

“Andar descalço não afeta apenas os pés”, diz Parthasarathy. “Também pode migrar para cima, causando dores nos joelhos, quadris e costas”.

Sem calçados em casa

PUBLICIDADE

Já falamos de matéria fecal? Mesmo que ela não deixe você doente, a ideia de trazer você sabe o quê – de sabe-se lá quem – para dentro de casa pode ser bem perturbadora.

Charles Gerba, professor de virologia da Universidade do Arizona, descobriu um monte de matéria fecal quando fez um estudo raspando a sola de 26 calçados. Ele encontrou E. coli em mais de um quarto das amostras e algum tipo de bactéria fecal em quase todas. Essa bactéria foi transferida dos calçados para pisos não contaminados mais de nove em cada dez vezes, descobriu o estudo posteriormente.

“Eu costumava deitar no chão para assistir TV, mas não faço mais isso depois que concluímos o estudo dos calçados”, diz Gerba.

Publicidade

Embora o estudo não tenha sido revisto por pares e tenha sido financiado por uma empresa que vende calçados que você pode lavar na máquina, ele capta uma verdade intuitiva: as solas recolhem a sujeira que pisamos o dia todo e a esfregam dentro de casa.

E o impacto do uso de calçados não se limita ao chão: também se faz presente na poeira da sua casa, de acordo com Gabriel Filippelli, diretor executivo do Instituto de Resiliência Ambiental da Universidade de Indiana. Filippelli concentra grande parte de sua pesquisa no ambiente interno. É o principal pesquisador de um estudo em andamento que examina a poeira das residências, usando pó de aspiradores que as pessoas enviam para análise.

Aqui vai uma amostra dos contaminantes encontrados no estudo de Filippelli: chumbo e outros metais pesados provenientes do solo; bolinhas microscópicas de material combustível e cancerígeno, supostamente provenientes do escapamento de um carro ou de um incêndio; e produtos químicos para gramados.

Filippelli descreve os materiais como “potencialmente perigosos para a saúde, mas também simplesmente nojentos”, e caracteriza os resultados como um “alerta” para as pessoas pararem de usar calçados dentro de casa: “Eu uso chinelos”.

Os calçados não são os únicos objetos com capacidade de trazer contaminantes para casa, mas estão entre os mais relevantes  Foto: Václav Mach/Adobe Stock

Ele reconhece que os calçados não são a única maneira de esses contaminantes pegarem uma carona para dentro de casa. Os cães podem trazê-los, assim como os carrinhos de bebê. Mas ele diz que tirar os calçados é uma maneira lógica e fácil de reduzir o risco. Seria muito mais difícil esfregar as patas do seu cachorro toda vez que ele volta de um passeio, por exemplo. E, diferentemente dos carrinhos de bebê, que tendem a ficar estacionados na porta, você acaba pisando em todos os lugares com os calçados. “O impacto das coisas nos seus calçados é pior”, diz ele.

Não se trata apenas da saúde do corpo. É também uma questão de durabilidade do piso. “Setenta e nove por cento da sujeira encontrada no carpete é terra que trazemos para dentro”, diz Jack White, diretor de operações canadenses da Rainbow Restoration, que faz limpeza e restauração especializadas de pisos. Essa sujeira se acumula na parte de baixo do carpete e, com o tempo, “funciona como uma lixa que desgasta os fios das fibras, acelerando o processo de deterioração”.

Os calçados também podem danificar madeira, vinil, cerâmica e outras superfícies duras, especialmente quando você fica com uma pedrinha presa na sola que acaba raspando o chão.

Publicidade

O veredito: use chinelos com boa sustentação ou calçados exclusivos para uso interno

Entre a matéria fecal e a poeira potencialmente cancerígena, os argumentos para tirar os calçados são convincentes demais para serem ignorados. Mesmo Parthasarathy, a podóloga, não usa sapatos dentro de casa. Em vez disso, ela evita possíveis problemas nos pés calçando chinelos ou calçados caseiros que oferecem suporte ao arco do pé, tração e estrutura.

Uma regra importante: se você conseguir dobrar o calçado ao meio, como um chinelo, ele não lhe dará o suporte necessário. Parthasarathy também sugere tapetes anti-fadiga para áreas onde você fica muito tempo, como perto da pia da cozinha.

Mas e as suas visitas? Uma coisa é tirar os próprios calçados, outra é pedir aos convidados que façam o mesmo – o que pode parecer estranho ou até rude. Na verdade, a mesma pesquisa da CBS News/YouGov que descobriu que a maioria dos americanos tira os calçados dentro de casa também revelou que mais de três quartos de nós não exigem que as visitas façam o mesmo.

Jules Martinez Hirst, especialista em etiqueta e fundador da Etiquette Consulting, Inc., recomenda avisar os visitantes com antecedência. Afinal, você quer que seus convidados se sintam confortáveis e não quer pegá-los despreparados. Se eles souberem com antecedência que terão de tirar os calçados, podem garantir que suas meias ou pés estarão prontos para serem expostos ao mundo. Para ser ainda mais flexível, Hirst diz que você pode deixar uma caixa de meias limpas ou chinelos descartáveis na porta. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.