PUBLICIDADE

Unicamp cria spray que inativa novo coronavírus e pode criar proteção extra em máscaras

Produto, já patenteado, impede o vírus de se replicar e oferecer proteção também para eliminar o vírus em máscaras e equipamentos

Por Pablo Pereira
Atualização:

SÃO PAULO - Uma tecnologia que inativa o vírus Sars-CoV-2, da covid-19, pode ser usada na fabricação de máscaras e equipamentos de proteção contra a contaminação da doença. A novidade em forma de spray, que acaba de ser anunciada por cientistas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), já foi patenteada e está disponível para ser produzida em escala industrial.

PUBLICIDADE

As informações são da pesquisadora Marisa Masumi Beppu, professora titular da Faculdade de Engenharia Química da universidade. “É uma tecnologia que impede o vírus de se replicar e que pode ser usada na produção dos chamados EPIs (equipamentos de proteção individual)”, explicou a especialista, que lidera o Laboratório de Engenharia e Química de Produtos (Lequip).

Em entrevista ao Estadão, ela contou que a eficácia foi comprovada em laboratório e está disponível para interessados na fabricação de máscaras, que hoje são descartáveis e têm duração limitada. O SprayCov, como foi patenteado, não é um sanitizante, esclareceu a pesquisadora. O produto é um composto de íons de cobre que aderem às superfícies de materiais têxteis.

“As máscaras hoje são barreiras físicas contra as gotículas que podem conter o vírus e a ideia é que, com esta tecnologia, possam oferecer proteção também para eliminar o vírus”, disse Marisa. Ela confirmou que já há empresas interessadas na produção, mas alerta que a oferta de EPIs com a tecnologia depende da capacidade do investimento e adaptação de uma planta de produção industrial. 

Pesquisa da Unicamp cria spray com tecnologia para eliminar cononavírus Foto: Divulgação Agência de Inovação | Antonio Scarpinetti

“Isso pode demorar alguns meses”, alertou a pesquisadora. A venda ao público do produto com a substância protetora vai depender desse fator de produção, mas ela garantiu que a pesquisa comprovou a eficácia da tecnologia, que pode ser aplicada na parte externa das máscaras para inativar o vírus. Em laboratório, o produto se mostrou eficiente em 99,9% dos casos durante pelo menos três dias. 

Segundo os cientistas, a equipe da Unicamp já pesquisava “o potencial das interações de íons metálicos com polímeros naturais na área ambiental e biomédica” quando houve a explosão do novo coronavírus no País. A partir daí, a equipe ampliou a pesquisa para avaliar se as substâncias poderiam ser eficazes também o Sars-CoV-2.

O produto agora entra em outra fase, podendo ser feito em escala para aplicação nas EPIs ou em líquido para uso em spray. O produto forma uma capa de proteção contra o vírus. Conforme material sobre o SprayCov, distribuído pelos pesquisadores, os sais de cobre já são usados em larga escala na agricultura, há mais de um século, como fungicida para conter o avanço de pragas e tem baixo custo. A pesquisa mostra que o custo de recobrimento de máscaras com o SprayCov foi calculado em pouco menos de R$ 0,02 por máscara.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.