Onde os aquíferos do mundo mais secaram desde o ano 2000? Pesquisa mapeou; veja

Níveis caíram em quase metade dos reservatórios subterrâneos analisados. Só 7% registraram aumento no período, aponta estudo divulgado pela revista Nature

Por Delger Erdenesanaa e Mira Rojanasakul
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Uma investigação em 1.700 aquíferos em mais de 40 países revelou que os níveis de água subterrânea em quase metade caíram desde 2000. Apenas cerca de 7% dos aquíferos inquiridos registraram um aumento dos níveis durante o mesmo período.

PUBLICIDADE

Os declínios foram mais evidentes em regiões com climas secos e muita terra cultivada para a agricultura, incluindo o Vale Central da Califórnia e a região das Planícies Altas, nos Estados Unidos. Os investigadores também encontraram grandes áreas de águas subterrâneas em queda acentuada no Irã.

O novo estudo é um dos primeiros a compilar dados de poços de monitorização em todo o mundo para tentar construir uma imagem global dos níveis das águas subterrâneas em detalhes.

“O declínio das águas subterrâneas tem consequências”, afirmou Scott Jasechko, professor associado da Bren School of Environmental Science and Management da Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, e principal autor do estudo. “Essas consequências podem incluir o esvaziamento de riachos, o afundamento de terras, a contaminação de aquíferos costeiros pela água do mar e a secagem de poços.”

Segundo a pesquisa, os estudos globais anteriores basearam-se em observações de satélite com uma resolução menos precisa e em modelos que calculam os níveis das águas subterrâneas em vez de os medirem diretamente.

A investigação, publicada na quarta-feira, 24, na revista Nature, confirma os declínios generalizados das águas subterrâneas anteriormente encontrados com satélites e modelos, disse Marc Bierkens, professor de hidrologia na Universidade de Utrecht que não esteve envolvido na investigação. O documento também oferece novas descobertas sobre os aquíferos em recuperação, disse ele.

Os investigadores compararam os níveis de água de 2000 a 2020 com as tendências de 1980 a 2000 em cerca de 500 aquíferos. Esta comparação com uma época anterior revelou um quadro mais otimista do que a simples análise dos níveis de água desde 2000.

Publicidade

Fora das cidades, a irrigação para a agricultura tende a ser o maior utilizador de águas subterrâneas. Na imagem, plantio na Califórnia Foto: Nathan Weyland/The New York Times

Em 30% do menor grupo de aquíferos, os níveis das águas subterrâneas baixaram mais rapidamente desde 2000 do que nas duas décadas anteriores. No entanto, em 20% desses aquíferos, o declínio das águas subterrâneas abrandou em comparação com o que se verificava anteriormente e, em outros 16%, as tendências inverteram-se completamente e os níveis das águas subterrâneas estão agora a subir.

  • As melhorias estão acontecendo em aquíferos de todo o mundo, em locais tão diversos como a Austrália, a China, a Arábia Saudita, a África do Sul, a Espanha, a Tailândia e os Estados Unidos. Estes aquíferos são motivo para um otimismo cauteloso, disse Debra Perrone, professora associada do Programa de Estudos Ambientais da Universidade da Califórnia em Santa Barbara e coautora da nova investigação.

“Podemos ser otimistas na medida em que os nossos dados revelam mais de 100 aquíferos onde o declínio do nível das águas subterrâneas abrandou, parou ou inverteu-se. Mas podemos ser cautelosos na medida em que os níveis das águas subterrâneas estão aumentando a taxas muito inferiores às do declínio”, afirmou. “É muito mais fácil piorar as coisas do que melhorá-las.”

  • O estudo baseia-se em dados de cerca de 170 mil poços de monitorização que as agências governamentais e os investigadores utilizam para monitorar o nível do lençol freático. Os dados dos poços não estão disponíveis ou não cobrem anos suficientes em todas as regiões, razão pela qual os investigadores se limitaram a estudar os aquíferos em cerca de 40 países e territórios.

PUBLICIDADE

Uma investigação recente do New York Times, que analisou mais de 80.000 poços de monitoramento nos Estados Unidos, encontrou tendências muito semelhantes no país.

As causas do declínio das águas subterrâneas diferem de local para local. Algumas grandes cidades dependem das águas subterrâneas para uso doméstico. Fora das cidades, a irrigação para a agricultura tende a ser o maior utilizador de águas subterrâneas.

“Não me surpreenderia se muitas das tendências a que assistimos a nível mundial estivessem, pelo menos em parte, relacionadas com a agricultura irrigada alimentada por águas subterrâneas”, afirmou Jasechko.

Publicidade

Uma correlação comum que os investigadores identificaram foi uma alteração na quantidade de chuva ou neve que cai sobre uma região. Em 80% dos aquíferos onde o declínio das águas subterrâneas acelerou, a precipitação também diminuiu durante o período de 40 anos.

  • Nos locais onde os aquíferos estão se recuperando, as causas variam. Em locais como o Vale Coachella na Califórnia, os governos criaram regulamentos e programas para reduzir a utilização das águas subterrâneas. Em outros, incluindo várias zonas do sudoeste dos Estados Unidos, as comunidades estão desviando mais água dos rios.

No Vale de Avra, no Arizona, as autoridades estão recarregando ativamente o seu aquífero com água do Rio Colorado, uma massa de água que enfrenta pressões próprias. Na Espanha, os gestores da água estão recarregando o aquífero Los Arenales utilizando uma combinação de água dos rios, águas residuais recuperadas e escoamento dos telhados.

Uma contribuição valiosa desta nova investigação é a identificação de distinções locais, onde os dados dos poços no terreno divergem das tendências regionais mais amplas que os satélites podem identificar, disse Donald John MacAllister, um hidro geólogo do British Geological Survey que analisou o documento.

“O que ouvimos frequentemente é que o declínio das águas subterrâneas está acontecendo em todo as partes. Na verdade, o cenário é tem muito mais nuances do que isso”, afirmou. “Precisamos aprender lições de lugares onde as coisas são talvez um pouco mais aceleradas.”

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.