ONG indica alta de 15% no desmatamento da Amazônia no último ano

Levantamento independente feito pelo Imazon confirma tendência de alta apontada também pelo sistema Deter, do Inpe, que observou aumento de 49,45% de perda da floresta no mesmo período

Por Giovana Girardi
Atualização:

A ONG Imazon divulgou nesta sexta-feira, 16, seu levantamento independente sobre o desmatamento da Amazônia apontando uma alta de 15% na perda da floresta entre agosto do ano passado e julho deste ano, na comparação com os 12 meses anteriores. O sistema tem uma metodologia diferente da usada pelo Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e observa uma região um pouco menor, mas traz o mesmo indicativo de alta já alertado pelo Deter.

A divulgação das informações de desmatamento tem incomodado profundamente o governo Foto: RAPHAEL ALVES / AFP

PUBLICIDADE

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon detectou 5.054 km² de desmatamento neste período, principalmente no Pará, no Amazonas e em Mato Grosso. Somente no último mês de julho, a destruição das florestas somou 1.287 km² – um aumento de 66% em relação a julho de 2018. 

"Nosso sistema está pegando o mesmo sinal de que o desmatamento está em tendência de alta. O SAD e o Deter às vezes divergem em um ou outro mês, mas no acumulado de 12 meses eles costumam trazer a mesma indicação de alta ou de baixa. Então é grande a probabilidade de que o Prodes (o sistema do Inpe que fornece a taxa anual e oficial de desmatamento da Amazônia) confirme essa alta”, afirma o pesquisador Carlos Souza Jr., coordenador do SAD.

Ele lembra ainda que tanto o Deter quanto o SAD "servem para mostrar o pulso, o ritmo do desmatamento" e que o sinal indicado por eles acaba sendo depois o que o Prodes confirma.

Sobre a decisão feita pelo governo federal de comprar um novo sistema de monitoramento, Souza defende que o importante é fazer uso dos dados para combater o desmatamento em campo.

"Os sistemas do Inpe foram fundamentais para controlar o desmatamento no passado. A tecnologia é efetiva, mas tem de ser usada para controlar o desmatamento que já vinha subindo e parece ter subido ainda mais neste ano."

Para o mês de julho, o SAD aponta que o municípios com maiores áreas desmatadas foram Altamira, com perda de 128 km², e São Félix do Xingu (96 km²), ambos no Pará, e Porto Velho (78 km²), em Rondônia. O Acre como um todo também chamou a atenção. Segundo o Imazon, o Estado não costuma aparecer entre os líderes de desmatamento, mas ficou em terceiro lugar no ranking em julho, com uma alta de 257% em relação a julho de 2018.

Publicidade

O governador do Acre, Gladson Cameli (PP), vem dizendo para proprietários de terra que não paguem multas que eles venham a receber em caso de serem autuados pelo órgão ambiental local, como noticiou o  jornal Folha de S. Paulo no final de julho.

O cenário é bastante parecido com o observado pelo monitoramento do Inpe. Pelo acumulado de alertas do Deter, a perda entre agosto de 2018 e julho de 2019 foi 6.833 km² – alta de 49,45% em relação ao período anterior. O sistema do Inpe também observou uma disparada significativa no mês de julho, de 2.254 km² –  278% maior que o verificado no mesmo mês de 2018.

As informações do Inpe alertando para alta do desmatamento foram combustível ao longo do último mês para investida do governo contra o instituto – o que acabou resultando na demissão do então diretor, o pesquisador Ricardo Galvão, que tinha mais de 40 anos de experiência. O presidente Jair Bolsonaro afirmou mais de uma vez que os dados eram "mentirosos" e prejudicavam a imagem do Brasil no exterior e ainda acusou Galvão de estar "a serviço de alguma ONG".

Na sequência, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, passou a dizer que os dados tinham problemas e que ele iria contratar um novo serviço para fazer o monitoramento. O Estado mostrou nesta quinta que o sistema já está sendo testado pelo Ibama

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Em debate com Galvão na GloboNews no último sábado, 10, Salles disse que nunca falou que os dados são manipulados. Voltou a dizer que o problema era a forma como foram divulgados, que seria sensacionalista, na visão do ministro, e que não poderiam vir a público sem o governo ter conhecimento. Galvão frisou que o Inpe envia os dados do Deter para o Ibama e os deixa disponíveis para consulta no site Terrabrasilis. 

“O que nós usamos são publicações científicas, ministro. Não balela como vocês usam. Não coisa de jornalzinho e Twitter. Eu admiro quem usa Twitter, mas eu não uso. Uma coisa que qualquer dirigente de um país precisa entender é que quando se trata de questões científicas, não existe autoridade acima da soberania da ciência. Nem militar, nem política e nem religiosa”, disse Galvão no debate.

O pesquisador voltou a explicar que o Deter não traz os dados finais de desmatamento da Amazônia – função que cabe ao Prodes –, mas de alertas que servem para orientar a fiscalização. “Não significa que os 40% de alta vistos pelos alertas vão depois significar uma alta de 40% no Prodes. Os sistemas são diferentes. É como se um olhasse com uma câmera mais aberta e o outro focasse mais. Mas há correlação em torno de 82%. Vai ter alta neste ano com o Prodes, não tenho a menor dúvida”, disse Galvão ao Estado dois dias antes de ser exonerado.

Publicidade

Além do Imazon, o problema vem sendo observado por vários outros sistemas de monitoramento da Amazônia, inclusive os de instituições estrangeiras, como a universidade americana de Maryland.

Publicidade

Correções

Ao contrário do que estava escrito no primeiro parágrafo do texto, a alta apontada pelo Imazon é de 15%. O título estava certo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.