Centenário da Independência em 1922: exposição, rádio, aviação e um novo Ipiranga

Exposição Internacional do Rio serviu de vitrine do Brasil ao mundo; em São Paulo, Museu do Ipiranga ganhou o Monumento à Independência

PUBLICIDADE

Por Liz Batista
Atualização:
Imagem do Pavilhão de Festas da Exposição Internacional do Centenário da Independência do Brasil, Rio de Janeiro, 1922. Foto: Reprodução/ Biblioteca Nacional

A ideia de apresentar ao mundo uma Nação moderna, respeitada entre as demais, com laços diplomáticas que se estendiam por todo o globo e integrada aos progressos e tecnologias de sua época norteou as festas do Centenário da Independência do Brasil, em 1922. A expressão plena desse ideal materializou-se na Exposição Internacional do Centenário da Independência do Brasil, realizada no Rio de Janeiro e inaugurada em 7 de setembro daquele ano.

PUBLICIDADE

Com uma expressiva verba de cerca de 100 mil contos de réis, o presidente Epitácio Pessoa não poupou esforços para fazer da exposição um sucesso. Expressões culturais de sua época, as Exposições Universais, ou Feiras Mundiais serviam para fomentar a integração, o intercâmbio cultural, as relações comerciais entre as nações e apresentar os avanços tecnológicos do período; além de ajudar a promover a imagem internacional dos países que as sediavam.

Ao unir as celebrações do centenário à grande exposição e torná-la internacional, o governo fez tanto do evento, como toda a estrutura montada para instalação dos pavilhões um legado de sua administração -  onde funcionaram alguns dos pavilhões estão hoje o Museu Histórico Nacional, o Museu da Imagem e do Som, a Academia Brasileira de Letras e o Centro Cultural da Saúde.

A data de caracter nacional foi transformada num acontecimento internacional. Foi o primeiro evento do gênero realizado após a Primeira Guerra Mundial e até hoje é a única exposição universal realizada na América do Sul.

A Exposição Internacional do Centenário da Independência toda iluminada, Rio de Janeiro , 1922 Foto: Reprodução

O complexo da exposição se situava no centro do Rio de Janeiro, na região onde antes havia o Morro do Castelo. No final da Avenida Rio Branco, um pórtico monumental de 33 metros de altura marcava sua entrada.

Com pavilhões de mais de seis mil expositores e com a participação de todos os Estados brasileiros e de 14 países, entre eles, Estados Unidos, França, Itália, Portugal, Inglaterra, Bélgica, Japão e Argentina, a grandiosa estrutura foi cuidadosamente iluminada com luzes noturnas para se destacar ao longe. Mais de 3 milhões de pessoas visitaram a feira, que terminou em março de 1923.

Além da Exposição Internacional, outros pontos altos dos festejos do centenário foram a execução da primeira transmissão de rádio no País; a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, no raid Lisboa - Rio, realizado pelos aviadores portugueses Gago Coutinho e Sacadura Cabral; e a visita de  membros da Família Imperial Brasileira para celebrar o centenário da Independência do Brasil.

Publicidade

O primeiro retorno dos descendentes de D. Pedro I ao País depois da proclamação da República,  acabou sendo eclipsado pela morte do Conde d'Eu, viúvo da princesa Isabel, durante a viagem de vinda.

Pelas ondas do rádio. um marco da nova era das comunicações, a primeira transmissão de rádio no País, também foi realizada naquele Sete de Setembro. Pelas ondas do rádio, os brasileiros puderam ouvir  o discurso ufanista de Epitácio Pessoa transmitido simultaneamente à abertura da exposição e, em seguida, a sinfonia O Guarani (1870), de Carlos Gomes, transmitida diretamente do Teatro Municipal do Rio.

>> Estadão - 31/8/1922

Notícia sobre o centenário da independência noEstadão de 31/8/1922. Foto: Acervo Estadão
Croqui do Monumento à Independência noEstadão de 31/8/1922. Foto: Acervo Estadão

Às margens do Ipiranga. Os festejos do centenário se estenderam por todo o Brasil. Em São Paulo, além de paradas militares com bandas e fogos de artifícios, a data foi celebrada com a reforma do  Museu Paulista, ou Museu do Ipiranga.

PUBLICIDADE

Foi nesse período que a instituição viu ampliadas as salas dedicadas à História da  nacional, foi também naquele ano, que o Monumento à Independência do Brasil começou a ser erguido na colina do Ipiranga, hoje parte do complexo que compõem o Parque da Independência, que fica nas margens do córrego do Ipiranga onde D.Pedro I proclamou o Brasil uma nação independente.

As primeiras pospostas para a construção de um monumento no local do “brado retumbante” surgiram do Império. Mas, foi só em 1917 que a ideia ganhou força, como um marco das celebrações do centenário da Independência em 1922.

Um concurso foi aberto para escolha do projeto, com edital anunciado no Estadão em 7 de setembro daquele ano. Os consulados brasileiros na América do Sul, nos Estados Unidos e Europa divulgaram o edital, atraindo vários escultores de renome internacional.

Publicidade

Em 1919, a comissão julgadora, depois de analisar os 27 projetos criados em maquetes e esboços escolheu a criação do escultor italiano Ettore Ximenes. Em 1922 o monumento ainda em construção foi inaugurado. As obras foram finalizadas em 1926.

>> Estadão - 31/8/1922

Foto das obras do Monumento à Independência noEstadão de 31/8/1922. Foto: Acervo Estadão
Foto das obras do Monumento à Independência noEstadão de 31/8/1922. Foto: Acervo Estadão

As exaltações patrióticas que dominaram os festejos do centenário não foram suficientes para abafar as tensões sociais e políticas do período. A rebelião militar de 5 de julho de 1922- conhecida como a Revolta dos 18 do Forte - contra a posse de Arthur Bernardes, eleito presidente em março daquele ano, marcaria o início dos levantes tenentistas que desgastaram a República Velha até sua derrubada com a Revolução de 1930.

>> Estadão - 7/9/1922

>> Estadão - 07/9/1922 Foto: Acervo/Estadão

Os 150 anos da Independência. Realizados durante a ditadura, os  festejos do sesquicentenário da Independência em 1972 exaltavam a união nacional através do militarismo. O governo Médici conseguiu negociar com o governo militar português que os restos mortais de D. Pedro I fossem transladados para o Brasil. Antes de serem abrigados na cripta do Monumento à Independência, os despojos passaram em peregrinação por todas as capitais num programa de comemorações que tomaram o País.

Os restos mortais de D. Pedro I chegam ao Rio de Janeiro, RJ, 22/4/1972 Foto: Acervo/Estadão

>> Estadão - 7/9/1972 8/9/1972

> Estadão -07/9/1972e08/9/1972 Foto: Acervo/Estadão

>> Estadão - 3/7/1922

Publicidade

Os aviadores Sacadura Cabral e Gago Coutinho em São Paulo noEstadão de3/7/1922 Foto: Acervo Estadão

Leia também:>> 7 de Setembro: ditadura usou data para exaltar militarismo>> Dom Pedro I no Brasil: Ditadura trouxe restos mortais, mas erro de cálculo impediu sepultamento>> 100 anos da travessia aérea Lisboa-Rio

+ ACERVO

> Veja o jornal do dia que você nasceu

> Capas históricas

> Todas as edições desde 1875

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.