PUBLICIDADE

Alckmin diz que congelamento de salário representa economia de mais de R$ 400 mi

Governador determinou à base aliada na Assembleia Legislativa do Estado que congele seus vencimentos para impedir efeito cascata no funcionalismo estadual em 2017

Foto do author Eduardo Laguna
Foto do author Daniel  Weterman
Por Eduardo Laguna e Daniel Weterman
Atualização:

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), confirmou, durante cerimônia no Palácio dos Bandeirantes nesta sexta-feira, 16, que seu salário - que define o teto nos vencimentos dos servidores do Executivo paulista - será novamente congelado, o que vai, segundo ele, permitir uma economia superior a R$ 400 milhões por ano aos cofres do Estado. 

Geraldo Alckmin, governador de São Paulo Foto:

PUBLICIDADE

"Quase meio bilhão de reais vai deixar de ser gasto. É evidente que se a gente não consegue dar reajuste a quem ganha menos, não deve deixar subir para quem ganha mais", afirmou Alckmin, após participar do anúncio de incentivos à indústria na sede do governo paulista.

Reportagem publicada nesta sexta-feira pelo Estado antecipou que Alckmin determinou à base aliada na Assembleia Legislativa do Estado o congelamento de seu salário, de R$ 21,6 mil, para impedir o aumento em cascata nos altos vencimentos do funcionalismo estadual em 2017.

Aprovado na semana passada, a manutenção salarial aguarda sanção do Executivo para gerar, conforme cálculos de técnicos do governo paulista consultados na apuração da matéria, economia estimada entre R$ 406 milhões e R$ 480 milhões anuais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.