PUBLICIDADE

Caso Maddie: Polícia portuguesa devolve objetos de Murat

Robert Murat permanece como suspeito formal no desaparecimento.

Por Da BBC Brasil
Atualização:

O suspeito de envolvimento no desaparecimento da menina britânica Madeleine McCann, Robert Murat, afirmou neste domingo que a polícia portuguesa devolveu seus objetos pessoais que haviam sido recolhidos para investigação. Entre os pertences devolvidos pela polícia estava o computador pessoa de Murat. De acordo com ele, a atitude representa "um sinal positivo". "Por que devolveriam alguma coisa se o objeto ainda estivesse sendo usado como elemento de algum tipo de investigação?", disse. Apesar da entrega dos pertences, Murat permanece como suspeito formal no caso do desaparecimento de Madeleine. A menina britânica desapareceu em Maio de 2007 do quarto de um resort na Praia da Luz, em Portugal, enquanto seus pais jantavam em um restaurante próximo ao local. No início das investigações, Murat estava ajudando nas buscas, recebeu o status de "argüido", termo jurídico português para designar suspeitos que estão sendo questionados, doze dias depois do desaparecimento. Ele nega envolvimento no caso. O britânico Robert Murat mora junto com a sua mãe Jenny, 71 anos, próximo ao resort onde a família McCann estava hospedada. Difamação Ao receber seus objetos pessoais, Murat afirmou ainda que pensa em entrar na justiça contra alguns jornais que publicam "matérias difamatórias" a seu respeito. A declaração está relacionada a um evento recente. Na semana passada, um grupo de jornais britânicos foi condenado a pagar 550 mil libras (R$ 1,8 milhão) aos pais de Madeleine por ter publicado matérias que sugeriram seu envolvimento no desaparecimento da filha. A sentença foi resultado de um processo por difamação movido pela família contra a empresa Express Newspapers, dona dos títulos Daily Express, Daily Star, Sunday Express e Daily Star Sunday. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.