PUBLICIDADE

Conservadores saem na frente em eleição iraniana

Resultado é esperado, já que o governo barrou boa parte dos candidatos reformistas.

Por Da BBC Brasil
Atualização:

O Irã divulgou neste sábado os primeiros resultados de suas eleições parlamentares, realizadas na sexta-feira sem a presença de muitos candidatos reformistas barrados pelas autoridades eleitorais do país. Candidatos conservadores e ligados aos ideais da Revolução Islâmica estão à frente na contagem dos votos, como esperavam analistas e observadores. Mais de 4,6 mil candidatos competem por 290 lugares no Parlamento iraniano. Mas quase 40% dos 7.597 candidatos que originalmente se inscreveram foram desqualificados em um sistema que reprovou qualquer um que tivesse um passado considerado inadequado para um parlamentar. A maioria dos candidatos rejeitados são reformistas. Mesmo assim, disse o repórter da BBC em Teerã Jon Leyne, os reformistas parecem estar tendo um desempenho melhor que o esperado. O resultado final levará dias para ser divulgado. Autoridades eleitorais disseram à BBC que o comparecimento foi relativamente alto - 65%, acima dos 51% que votaram nas eleições anteriores. O governo iraniano queria pelo menos repetir a taxa de comparecimento, para dar legitimidade ao pleito. Mas Jon Leyne disse que não havia evidências deste comparecimento. As salas eleitorais não estavam cheias, e muitas pessoas expressavam indiferença em relação aos candidatos e propostas. "A suspeita é que o governo tenha maquiado as figuras ou dado incentivos para persuadir mais partidários no interior do país", reportou o correspondente. Expectativa Correspondentes acreditam que pode ocorrer uma disputa entre setores conservadores rivais, com ex-integrantes da Guarda Revolucionária (setor de elite das Forças Armadas iranianas) conquistando espaços que eram de grupos religiosos e se tornando o maior grupo político do Parlamento. A posição do supremo líder, o aiatolá Ali Khamenei, também deve se fortalecer com a eleição de uma nova geração de parlamentares linha-dura. Desde a revolução de 1979, o poder político do Irã está nas mãos dos aiatolás, os maiores líderes religiosos da vertente xiita do islamismo. Apesar de ser criticado pela forma como tratou de temas econômicos, o governo conservador de Ahmadinejad não deve ser ameaçado com essas eleições. Novas eleições presidenciais estão marcadas para o ano que vem. Entretanto, seja qual for a composição do novo governo, não deve haver mudanças em relação a assuntos como a política externa ou a questão nuclear. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.