PUBLICIDADE

Democratas usam fala sobre '47%' para assombrar Romney em Ohio

Por ERIC JOHNSON
Atualização:

Partidários do presidente dos EUA, Barack Obama, estão seguindo de perto Mitt Romney em sua viagem de campanha pelo estratégico Estado de Ohio, realizando eventos no qual ironizam um vídeo em que o candidato presidencial republicano desqualifica o eleitorado do seu rival. "Mitt Romney está insultando metade dos norte-americanos, ou está enormemente alheio às nossas vidas e, enquanto ele percorre Ohio, o Comitê Nacional Democrata e a população de Ohio vão se manifestar contra ele por causa disso", afirmou o Comitê Nacional Democrata. Um importante financiador de Obama em Ohio disse que ele e outros envolvidos com a campanha estão difundindo o vídeo de Romney por email e pelas redes sociais, para arrecadar mais doações. Além disso, os partidários do presidente citam esse material em conversas com indecisos. No vídeo, gravado secretamente em maio e divulgado na semana passada, Romney diz que 47 por cento dos eleitores votam em Obama de qualquer maneira, porque se sentem vítimas do sistema, não pagam impostos federais e dependem demais de ajudas governamentais. "Não precisamos fazer nada além de usar as palavras de Romney contra ele", disse a farmacêutica Lisa Burton, 48 anos, que decidiu no fim de semana fazer campanha por Obama, depois de escutar as declarações de Romney. Depois da crise aberta pelo vídeo e das críticas de colegas republicanos de que ele estaria usando tempo demais para arrecadar doações, Romney espera retomar o prumo da sua campanha com a viagem de ônibus por Ohio, Estado potencialmente decisivo para a eleição, onde Obama lidera por 51 por cento, ante 46 por cento das intenções de voto, segundo pesquisa divulgada no domingo por jornais locais. Grupos de apoio a Romney estão investindo maciçamente em anúncios de TV nesse Estado, e o republicano tentará aproveitar sua boa situação financeira e sua estrutura local. Durante a viagem por Ohio, Romney deve insistir na sua tese de que ele tem mais condições do que Obama para estimular a retomada do crescimento e gerar empregos. Ohio, porém, tem um desemprego inferior à média nacional, e Obama argumenta que o Estado foi muito beneficiado pelo resgate do setor automobilístico oferecido em 2009 pelo presidente. (Reportagem adicional de Donna Smith em Washington)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.