Deslizamento mata ao menos duas pessoas no Paraná; equipes buscam desaparecidos

Defesa Civil confirmou duas mortes na BR-376, que liga Curitiba a Florianópolis; Régis Bittencourt tem bloqueio e congestionamento

PUBLICIDADE

Foto do author José Maria Tomazela
Por José Maria Tomazela
Atualização:

SOROCABA – Subiu para dois o número de mortos no deslizamento que atingiu mais de 15 veículos na rodovia BR-376, em Guaratuba, no interior do Paraná. O resgate do segundo corpo foi confirmado pelo Corpo de Bombeiros na tarde desta terça-feira, 29. A primeira vítima já havia sido retirada da avalanche de terra e lama pela Polícia Rodoviária Federal no final da noite de segunda, 28. As vítimas ainda não foram identificadas. As buscas prosseguem no local.

O deslizamento, causado pelas intensas chuvas que atingem a região, aconteceu por volta das 19 horas de segunda, quando havia uma fila de veículos parados na estrada, em razão da queda de uma barreira ocorrida horas antes. A massa de terra e lama arrastou seis caminhões e dez automóveis, segundo o Corpo de Bombeiros. O governo do Paraná criou uma sala de de situação para acompanhar e apoiar os trabalhos de resgate. A suspeita é de que mais pessoas estavam no interior dos veículos quando ocorreu o desastre.

PUBLICIDADE

O desmoronamento de um grande talude aconteceu por volta das 16 horas de segunda-feira, atingindo uma das pistas da BR, no km 669, em Guaratuba. Chovia intensamente na região desde o fim de semana. Uma das faixas foi interditada, causando congestionamento. Os veículos estavam em fila quando houve novo deslizamento, por volta das 19 horas. Carros, caminhões e ônibus foram envolvidos pelo aluvião de terra e lama que cobriu cerca de 200 metros da rodovia.

Um ônibus da Viação Catarinense foi atingido e um tronco de árvore quebrou o vidro, atingindo um passageiro. Ele foi socorrido com vários ferimentos, mas não corre risco de morte. Equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar Estadual, da Polícia Rodoviária Federal e da Defesa Civil se juntaram às brigadas da concessionária para o resgate das vítimas. O trabalho chegou a ser interrompido durante a noite, devido ao mau tempo, mas foi retomado no final da madrugada.

Equipes trabalham no resgate de possíveis vítimas do deslizamento, na BR-376, no Paraná. Foto: Valdevino Pontes/Governo do PR/Divulgação

As equipes de salvamento estão priorizando o atendimento às pessoas atingidas pelo desastre. A ligação entre o Paraná e Santa Catarina pela BR-376 não tem prazo para ser reaberta. Os bloqueios ocorrem no pedágio de São José dos Pinhais (km 635) e na unidade da PRF em Tijucas do Sul (km 662) e no pedágio de Garuva, no km 1,3 da BR-101. A rota alternativa para ligação entre os dois estados é pela BR-470 e BR-116 – um acréscimo de mais de 100 km no percurso entre as capitais dos dois estados.

Conforme a Polícia Rodoviária Estadual, a Estrada da Graciosa (PR-140), que liga Curitiba ao litoral paranaense, também está interditada. De acordo com o meteorologista Samuel Braun, do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), choveu mais de 150 milímetros na Serra do Mar paranaense entre sábado e segunda-feira. Nas últimas 72 horas, o acumulado passou de 200 mm. “A precipitação varia bastante de intensidade e ocorre de forma contínua em algumas cidades. Esta situação potencializa a condição para alagamentos e deslizamentos”, explicou.

São Paulo-Curitiba interditada

A Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), que liga São Paulo e Curitiba, foi interditada na madrugada desta terça-feira, 29, devido a uma queda de barreira sobre a pista sul, no km 59, em Campina Grande do Sul, no Paraná. O trânsito está sendo desviado, mas há grande congestionamento no local, com cerca de 20 km de veículos parados. Conforme a concessionária, equipes trabalham no local, mas não há previsão de liberação do tráfego.

Publicidade

Em Morretes, na região litorânea, pelo menos 100 pessoas estão desabrigadas, segundo a Defesa Civil. No bairro Vila Freitas, as famílias foram alojadas em uma igreja. Conforme o coordenador da Defesa Civil, Diogo Bueno, as ruas do centro estão cheias de água e com trechos fechados para o trânsito. O Corpo de Bombeiros precisou resgatar famílias que ficaram ilhadas.

Prefeito escapa

O prefeito de Guaratuba, Roberto Justus (União Brasil), foi surpreendido pelo deslizamento que soterrou carros na BR-376, na tarde de segunda. Ele estava na estrada quando o barranco veio abaixo. “Uma coisa horrorosa! A montanha veio abaixo, para cima dos outros carros. Só estamos vivos por livramento de Deus, tanto eu quanto nosso motorista. Não nos machucamos, mas muita gente deve ter se machucado”, disse, em vídeo postado em suas redes sociais.

“Era muita terra, muita pedra, veio para cima de todos. Não sei como a pedra nos ergueu. Ela veio por baixo do carro, depois nos jogou para cima dos outros carros que estavam parados. A gente ficou parado na fila, não tínhamos como fazer nada. Todo mundo parado, com o carro desligado.” Justus contou que, assim que o carro virou e ficou imobilizado, ele e o motorista quebraram o vidro e saíram do veículo, indo para a estrada.

O prefeito foi socorrido pelo serviço de emergência da concessionária Arteris, que administra a rodovia naquele trecho. Nesta terça-feira, Justus colocou em prontidão o serviço de saúde da cidade para auxiliar no atendimento às vítimas do deslizamento. “Oferecemos ajuda para as equipes que estão lá e estamos torcendo para que as pessoas sejam resgatadas com vida e ilesas”, disse. Na cidade, as chuvas também causaram estragos e alagamentos. Há estradas rurais interditadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.