PUBLICIDADE

Família de empresária será denunciada por tortura em Goiás

Mãe da menina torturada também será denunciada; Silvia Calabresi Lima e sua empregada estão presas

Por Rubens Santos
Atualização:

A família da empresária Silvia Calabresi Lima é a principal envolvida por ação ou omissão no caso de tortura e cárcere privado da menor L.R.S., de 12 anos, descoberto na semana passada. A denúncia à mãe, ao marido e ao filho da empresária será feita nesta quarta-feira, 26, à Justiça de Goiás pela delegada de Proteção à Criança e Adolescente (DPCA), Adriana Accorsi, de Goiânia, cidade onde o crime ocorreu. A menina sofreu maus-tratos e foi torturada nos últimos dois anos na casa de Silvia. Veja também: Ex-empregada é a sexta a acusar empresária de agressão em GO Empresária admite agressão e nega loucura Empregada mantinha diário de tortura, relata menina A delegada concluiu após dez dias de investigações que o silêncio e a omissão dos membros da família Calabresi Lima foram os fatores fundamentais para a continuidade das violações contra a adolescente. O relatório com mais de 100 páginas descreve a maneira como L.R.S. era torturada, os locais, horários e instrumentos empregados para tortura, que contou com ajuda da empregada doméstica Vanice Maria Novaes, de 23 anos. A empresária e a empregada estão presas na Casa de Prisão Provisória (CPP), em Aparecida de Goiânia. "A tortura foi sistematicamente empregada contra a menor", disse a delegada, que relacionou a mãe de Silvia Calabresi, Maria de Lourdes Biachi Arantes, de 82 anos, o marido Marco Antonio Calabresi Lima, de 42 anos, e o filho, Tiago Calabresi Lima, de 24 anos, ao crime. A mãe e o filho da empresária não se apresentaram nesta terça-feira, 25, à policia para prestar depoimento. A mãe de L.R.S., Joana Darc da Silva, de 40 anos, que "doou" a filha para Silvia, também está sendo denunciada por omissão e entrega ilegal de criança.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.