PUBLICIDADE

Ideli nega envolvimento na elaboração de dossiê contra Serra

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) negou nesta segunda-feira ter participado da elaboração de um suposto dossiê em 2006 contra o então candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra, no caso que ficou conhecido como "escândalo dos aloprados". Depois de ter seu nome vinculado ao caso em reportagens publicadas recentemente, a ministra decidiu divulgar uma nota em que alega não ter participado de "reuniões que tivessem como tema a elaboração de material contra o candidato ao governo do Estado de São Paulo, José Serra, no ano de 2006". "Nunca elaborei nem participei da confecção de dossiês políticos. Conforme declarou o ministro Aloizio Mercadante é falaciosa a tentativa de me envolver na participação da elaboração do suposto dossiê citado pela revista Veja", disse na nota a ministra, que tomou posse no dia 13 de junho. Reportagem da revista Veja afirma que Ideli, na época líder do PT no Senado, teria participado das negociações para a compra de um dossiê falso contra Serra, que disputou e venceu a eleição ao governo paulista, derrotando o candidato petista Aloizio Mercadante, que seria o suposto mentor do esquema. Segundo a revista, Ideli reuniu-se em setembro com Mercadante e teria ficado responsável pela divulgação do dossiê, que ligaria Serra a esquemas fraudulentos com empresas de saúde. O dossiê não chegou a ser divulgado já, que a Polícia Federal prendeu duas pessoas ligadas ao PT com o equivalente a 1,7 milhão de reais que seriam usados para a compra do documento. Na nota, a ministra disse que o encontro citado foi "para tratar de um depoimento que seria dado ao Conselho de Ética do Senado". "Naquela ocasião, como bem declarou o ministro Aloizio Mercadante, apenas expressei que o Conselho de Ética não seria o fórum adequado para debater tal assunto." Mercadante, atual ministro de Ciência e Tecnologia, participa de audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado na terça-feira. (Por Hugo Bachega)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.