PUBLICIDADE

Lance Armstrong deixa presidência de fundação e Nike cancela patrocínio

Por DAN BURNS
Atualização:

Lance Armstrong deixou o cargo de presidente da instituição de caridade de combate ao câncer que ele fundou, a Livestrong, depois que oficiais antidoping dos EUA divulgaram um relatório contundente detalhando o uso de substâncias que melhoram o desempenho pelo ciclista, um dos ciclistas mais importantes do mundo durante anos, disse a fundação nesta quarta-feira. Separadamente, um de seus principais patrocinadores, a Nike Inc., disse que estava encerrando seu patrocínio de Armstrong. "Para poupar a fundação de quaisquer efeitos negativos como resultado da controvérsia em torno de minha carreira no ciclismo, vou encerrar a minha presidência", declarou Armstrong em um comunicado. Armstrong está prestes a perder seu recorde de sete títulos da Tour de France depois que a Agência Antidoping dos EUA publicou um relatório de 1.000 páginas na semana passada que apontou que o norte-americano agora aposentado participou e organizou um esquema elaborado e sofisticado de doping em seu caminho para o sucesso incomparável na Tour. Armstrong sempre negou o uso substâncias proibidas durante sua brilhante carreira, mas se recusou a desafiar as acusações da Usada contra ele. Armstrong criou a Fundação Lance Armstrong em 1997, depois de ser diagnosticado com câncer testicular no final de 1996. A fundação lançou a Livestrong em 2003 para prestar serviços de apoio a pacientes com câncer. Paralelamente, a Nike, revertendo a sua posição anterior de apoio a Armstrong, disse que não podia mais ignorar a evidência de seu comportamento ilícito como ciclista profissional. "Devido às evidências aparentemente insuperáveis de que Lance Armstrong participou de doping e enganou a Nike por mais de uma década, é com grande tristeza que rescindimos o contrato com ele", disse a empresa em um comunicado. "A Nike não tolera o uso de drogas ilegais que melhoram o desempenho de qualquer maneira."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.