PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Jornalismo, educação, tecnologia e as combinações disso tudo

Opinião|Imagens geradas por IA podem agravar problemas de saúde mental

Foto do author Paulo Silvestre
Atualização:

A cantora Taylor Swift, vítima de "deep nudes" que inundaram as redes sociais na semana passada - Foto: Paolo V/Creative Commons

Na semana passada, as redes sociais foram inundadas com fotos de Taylor Swift nua. Não se tratava de algum vazamento de fotos íntimas da cantora, mas de imagens falsas criadas por inteligência artificial, uma técnica conhecida por "deep nude". Apesar da compreensível revolta dos fãs pelo uso criminoso da sua imagem, o episódio não deve ter causado grandes transtornos para ela, que tem uma equipe multidisciplinar para ajudá-la a lidar com os problemas típicos da sua superexposição.

PUBLICIDADE

Infelizmente quase ninguém tem essa rede de proteção. Por isso, a explosão de imagens sintetizadas digitalmente vem provocando muitos danos à saúde mental de crianças, jovens e adultos, que não sabem como lidar com fotos e vídeos falsos de si mesmos ou de ideais inatingíveis de beleza ou sucesso.

Isso não é novo: surgiu na televisão, antes das mídias digitais. Mas elas potencializaram esse problema, que agora se agrava fortemente com recursos de inteligência artificial generativa usados inadequadamente.

Junte ao pacote a dificuldade que muitos têm de lidar com os efeitos nocivos da exposição que as redes sociais podem lhes conferir, ainda que de maneira fugaz. Não é algo pequeno, não é "frescura" ou uma bobagem. Família, amigos e as autoridades precisam aprender a lidar com esses quadros, oferecendo o apoio necessário para que o pior não aconteça.


Publicidade

Veja esse artigo em vídeo:


O youtuber PC Siqueira não teve esse apoio. Neste sábado (27), fez um mês que ele se suicidou em seu apartamento, na zona sul de São Paulo. Um dos primeiros influenciadores do país, quando o termo ainda nem era usado com essa acepção, ele surgiu no YouTube em 2010 e chegou a apresentar um programa na MTV Brasil.

PC Siqueira nunca escondeu que sofria de ansiedade e de depressão. Seu quadro se deteriorou à medida que sua audiência diminuiu com os anos. A situação piorou muito em junho de 2020, quando ele foi acusado de pedofilia. Sempre disse que estava sendo vítima de uma "armação" e, de fato, em fevereiro de 2021, a Polícia Civil concluiu que não havia qualquer indício de que ele tivesse cometido o crime. Ainda assim, nunca conseguiu se recuperar, chegando a essa ação extrema no fim de 2023.

Se PC Siqueira foi vítima de aspectos sórdidos da autoexposição, crescem os casos em que as vítimas são envolvidas de maneira totalmente involuntária. Foi o que aconteceu com um grupo de alunas do Ensino Fundamental II do colégio Santo Agostinho, um dos mais tradicionais do Rio de Janeiro, em outubro passado. Alguns de seus colegas usaram plataformas de criação de "deep nudes" para gerar imagens delas nuas, e as espalharam pelas redes sociais.

Publicidade

Para uma adolescente, isso é devastador! Subitamente elas se tornam o "assunto" da escola inteira, de amigos, de parentes e até nas redes sociais. As fotos passam a ser vistas como se elas as tivessem tirado de fato. Como enfrentar tanta pressão, ainda mais não tendo feito absolutamente nada de errado?

PUBLICIDADE

Outro fenômeno que não para de crescer com a IA são as "influenciadoras virtuais". São imagens de mulheres "perfeitas" que atuam como influenciadoras digitais. Mas tanta beldade não existe: elas são sintetizadas por comandos que podem reforçar estereótipos e falta de diversidade. E isso cria padrões de beleza distorcidos e ainda mais inatingíveis, piorando as já conhecidas pressões por conformidade e empecilhos para aceitar o próprio corpo que afetam muitas mulheres, especialmente adolescentes.

O problema fica mais grave quando se observa que, por trás dessas criações, estão homens, o que reforça a visão masculina de como uma mulher deve ser. Tanto que muitas delas também possuem perfis em sites de imagens pornográficas, em que outros homens pagam para ver as avatares nuas, obviamente também sintetizadas.

 

Publicidade

Capturados pelos seguidores

Todas essas práticas podem impactar seriamente o equilíbrio emocional das pessoas. Apesar de já convivermos há duas décadas com as redes sociais, a verdade é que ainda não sabemos lidar adequadamente com a influência de seus algoritmos e a visibilidade que eventualmente recebemos graças a elas. A ascensão violenta da inteligência artificial generativa apenas está acelerando esses efeitos.

O artista americano Andy Warhol disse em 1968 que "no futuro, todos serão mundialmente famosos por 15 minutos". Naturalmente ele não antecipava o fenômeno das redes sociais, mas foram elas que viabilizaram sua profecia. Porém, com raríssimas exceções, elas só oferecem mesmo "15 minutos de fama": da mesma forma que podem alçar um anônimo ao estrelato instantâneo, podem devolvê-lo ao ostracismo com a mesma velocidade. E muita gente não suporta voltar ao lugar de onde veio.

Muitos querem ser famosos e as redes sociais parecem ser o caminho mais fácil para isso. Almejam dinheiro e outros benefícios da exposição, mas poucos estão realmente preparados para lidar com isso. Assim, enquanto poucos são capazes de "capturar sua audiência", muitos são capturados por ela.

Em algum momento, todos nós ajustamos nossa personalidade para satisfazer expectativas alheias. Isso acontece com muita força na adolescência, no grupo de amigos. Mas com as redes sociais, agora potencializadas pela IA, muita gente se transforma em uma persona que não é, e eventualmente até em algo que lhe cause sofrimento, apenas para agradar seu público online: pessoas que nem conhecem e que, em muitos casos, têm um prazer mórbido de dar suas "curtidas" pelo nosso pior, desvalorizando o que temos de bom a oferecer em um mundo-cão.

Publicidade

Atire a primeira pedra quem nunca produziu uma foto pensando nas "curtidas" que ela geraria! O grande problema disso, para muitas pessoas, é que elas acabam se tornando reféns dessa persona. Para não perderem sua audiência, esquecem do que são e passam a viver uma caricatura de si mesmos, sem escapatória.

Como jornalista, aprendi desde cedo a não cair nessa arapuca. Claro que estou atento aos interesses de meu público, mas, para não entrar nesse "poço narcisista", nunca esqueço quem sou ou sobre o que falo. Mas admito que essa é uma tarefa muito difícil em um mundo digital que vive de aparências distorcidas pela inteligência artificial.

Todos nós temos a obrigação de resistir aos padrões e pensamentos-únicos que nos são impostos pelas redes sociais e pela inteligência artificial. Isso vai desde não se encantar por influenciadoras virtuais até resistir ao apelo fácil do "copia-e-cola" dos textos desalmados do ChatGPT em nossos posts e trabalhos.

Talvez, se fizermos isso, tenhamos menos gente "gostando" de nós. Em compensação, além de paz de espírito e de uma saúde mental muito mais equilibrada, teremos as pessoas que gostam de nós pelo que genuinamente somos. Isso é essencial, até mesmo para fecharmos negócios sustentáveis e transparentes com o nosso público, e termos mais que os 15 minutos de fama de Andy Warhol.

 

Opinião por Paulo Silvestre

É jornalista, consultor e palestrante de customer experience, mídia, cultura e transformação digital. É professor da Universidade Mackenzie e da PUC–SP, e articulista do Estadão. Foi executivo na AOL, Editora Abril, Estadão, Saraiva e Samsung. Mestre em Tecnologias da Inteligência e Design Digital pela PUC-SP, é LinkedIn Top Voice desde 2016.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.