PUBLICIDADE

Mama Antula: saiba quem é a primeira Santa canonizada pelo papa Francisco

Cerimônia religiosa realizada no domingo, 11, no Vaticano, contou com a presença do presidente da Argentina, Javier Milei

Foto do author Redação
Por Redação

O papa Francisco canonizou no domingo, 11, a primeira santa argentina, em solenidade no Vaticano. Trata-se da beata María Antónia de Paz y Figueroa. Mais conhecida como Mama Antula, ela foi beatificada pelo pontífice em 2016 e tornou-se, agora, a primeira santa argentina, depois de lhe ter sido atribuído um segundo milagre: a cura inexplicável de um homem argentino que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC).

PUBLICIDADE

Nascida em em Silipica, em Santiago del Estero em 1730, na Argentina, Mama Antula veio de uma família abastada, ou seja, com muitos bens, segundo o Vaticano. “Ela recebeu uma boa formação religiosa, espiritual e cultural e, ainda jovem, entrou em contato com a espiritualidade inaciana (que faz referência a Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus).”

Em 1745, aos 15 anos, vestiu o hábito jesuíta, fez os votos privados e começou a levar uma vida comunitária junto a outras mulheres consagradas. Sob a orientação do padre jesuíta Gaspar Juárez, ela se dedicou à educação das crianças, ao cuidado dos doentes e à assistência aos pobres.

É uma figura venerada entre os argentinos. Foi uma leiga consagrada que lutou para difundir os exercícios espirituais de Santo Inácio de Loyola, precisamente quando a Companhia de Jesus, de onde provinha o papa, tinha sido expulsa dos domínios da coroa espanhola pelo rei Carlos III.

“Em 1767, quando, por ordem de Carlos III, os padres da Companhia de Jesus foram expulsos dos territórios da Coroa espanhola, Mama Antula amadureceu a intenção de continuar o apostolado dos exercícios espirituais com a ideia de abrir uma casa. Com o pleno consentimento de seu confessor e do bispo de Santiago del Estero, ela concretizou seu projeto”, disse o Vaticano.

A beata María Antonia de Paz y Figueroa, mais conhecida como Mama Antula, tornou-se a primeira santa argentina. Foto: Divulgação/Vaticano

Ela viajou muito para difundir a espiritualidade inaciana e estabelecer novas casas para os exercícios. Seu desejo de “ir aonde Deus não era conhecido” levou-a a locais como Uruguai, Colônia e Montevidéu. “Em Buenos Aires, construiu a Santa Casa de Exercícios Espirituais na Avenida Independência, número 1190″, acrescentou o Vaticano.

Com o tempo, passou também a ser considerada pioneira dos direitos humanos na Argentina, pela sua defesa dos excluídos.

Publicidade

“Foi uma peregrina do Espírito. Percorreu milhares de quilômetros a pé, atravessando desertos e estradas perigosas, para levar Deus. Hoje é, para nós, um modelo de fervor e de audácia apostólica. Quando os jesuítas foram expulsos, o Espírito acendeu nela uma chama missionária fundada sobre a confiança na Providência e sobre a perseverança”, disse o papa na sua homilia, elogiando a nova santa.

Ela morreu em 7 de março de 1799, aos 69 anos de idade. Estima-se que, durante sua vida, cerca de 80 mil pessoas se beneficiaram da experiência dos exercícios espirituais. “Seus restos mortais repousam hoje na igreja de Nossa Senhora da Misericórdia, em Buenos Aires”, segundo o Vaticano.

Papa Francisco realizou no domingo, 11, a cerimônia de canonização da beata María Antonia de Paz y Figueroa, mais conhecida como Mama Antula. Foto: Divulgação/Vaticano

Em Buenos Aires, na Argentina, pelo menos 500 pessoas assistiram a uma missa e acompanharam uma procissão no domingo, em honra de Mama Antula.

A cerimônia, que durou uma hora e meia, contou com a presença sobretudo de pessoas idosas, que, com os seus leques, procuraram aliviar o calor que fazia na ocasião.

Papa Francisco junto com o presidente de Argentina, Javier Milei, ao fundo, durante a missa de canonização da beata María Antonia de Paz y Figueroa.  Foto: Claudio Peri/EFE

No Vaticano, a cerimônia religiosa também contou com a participação do presidente da Argentina, Javier Milei. Ele abraçou o papa Francisco durante o encontro de domingo, depois de atacá-lo nas eleições. O líder católico foi um dos alvos do libertário, que o chamou de “comunista” e “encarnação do maligno”, e virou personagem de disputa na campanha.

Agora, no entanto, Milei dá sinais de reaproximação. Diante de centenas de fiéis, ele curvou-se para cumprimentar e abraçar o pontífice argentino na Basílica de São Pedro, no fim da missa de canonização da primeira santa da Argentina.

Nesta segunda-feira, 12, o papa se reuniu com o presidente argentino, que o presenteou com alfajores de doce de leite e biscoitos de limão.

Publicidade

Durante o encontro, Milei abraçou carinhosamente o papa e pediu para lhe dar um beijo, enquanto o pontífice argentino, brincando, exclamou: “Você cortou o cabelo!”, em meio às risadas de ambos. /EFE, AFP e AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.