PUBLICIDADE

Manguinhos anuncia que tomará medidas contra desapropriação

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A Refinaria de Manguinhos informou que analisa quais medidas deverá tomar contra a desapropriação do imóvel onde está localizada, decidida pelo governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral. O governo do Estado do Rio de Janeiro decidiu desapropriar o local para construir na área um projeto habitacional para a população de baixa renda. Em comunicado ao mercado, a companhia classifica a decisão do governo do estado fluminense de "ato do príncipe". "A companhia está analisando, com seus assessores jurídicos e financeiros, as medidas que podem ser tomadas contra esse 'Ato do Príncipe', e de que forma poderá agir para impedir que consequências tão graves impactem suas atividades e repercutam em sua vida financeira e na de seus funcionários e acionistas". A empresa diz em nota que o faturamento esperado em 2012 é da ordem de 2 bilhões de reais e que a refinaria gera 1 mil empregos diretos. O decreto de desapropriação englobará a totalidade da área hoje ocupada pela refinaria, informou a nota. A notícia da desapropriação levou a empresa a pedir na segunda-feira a suspensão da negociação de suas ações na bolsa de valores por prazo indeterminado. O governador do Estado do Rio, Sergio Cabral, anunciou no domingo que iria desapropriar o terreno da refinaria, em meio a ações de ocupação por forças de segurança de áreas dominadas pelo tráfico de drogas. Segundo o governador fluminense, o terreno utilizado pela refinaria, única no país não controlada pela Petrobras, "há muito não refina nada. É simplesmente estocagem de etanol". Manguinhos rebateu a afirmação dizendo que refinou, nos últimos 12 meses, 3,5 milhões de barris de petróleo. A refinaria havia anunciado no começo de outubro um acordo de confidencialidade para eventual parceria com a chinesa Sinopec em um projeto de expansão da planta de refino, estimado em 1,4 bilhão de reais. A refinaria foi inaugurada em 1954 e foi comprada em 2008 pelo Grupo Andrade Magro. (Reportagem de Sabrina Lorenzi; Edição de Fábio Couto)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.