PUBLICIDADE

Netanyahu deve vencer eleição israelense, mas perde apoio

Por MAAYAN LUBELL
Atualização:

Quatro dias antes da eleição parlamentar de Israel, pesquisas de intenção de voto publicadas nesta sexta-feira mostraram que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ainda deve ganhar, apesar da queda no apoio para o menor nível na campanha até agora. Duas pesquisas mostraram os bloco de direita e religioso de Israel ganhando uma pequena maioria no Parlamento, com 63 dos 120 assentos, com a coalizão de Netanyahu, a Likud-Beiteinu, a caminho de se tornar o maior partido no Knesset. As pesquisas nos jornais Haaretz e Yedioth Ahronoth mostraram o partido Likud, de Netanyahu, ganhando 32 lugares, a pior previsão até agora, e cerca de 10 cadeiras a menos do que o Likud e o Yisrael Beiteinu conseguiram em 2009, quando disputaram as eleições separadamente. Cerca de 15 por cento dos eleitores continuavam indecisos, segundo o Yedioth. Um desempenho relativamente fraco nas urnas para Netanyahu tornaria-o mais suscetível às demandas de seus parceiros de coalizão, pequenos partidos de direita e religiosos, nos quais seu governo teria de se apoiar para sobreviver. Netanyahu também pode enfrentar mais pressão do exterior, com a crescente condenação internacional sobre a expansão dos assentamentos judaicos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental -- terra que os palestinos querem para um Estado, junto com a Faixa de Gaza. "O mundo inteiro vai olhar para apenas uma coisa depois da eleição, se o partido do governo encolheu ou cresceu. Se crescermos, isso nos dará a força para enfrentar as pressões", disse Netanyahu ao jornal Maariv, na sexta-feira. "Os dias de tratores arrancando judeus estão atrás de nós, e não à frente de nós", disse o premiê, claramente preocupado com a sua recente queda nas pesquisas. "Eu não ofereço concessões. Nosso histórico mostra isso. Nós não retiramos qualquer assentamento, fizemos os assentamentos mais fortes."

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.