PUBLICIDADE

Obama se diz 'perplexo' com reação a comentário sobre Iraque

Por JOHN WHITESIDES e CORRES
Atualização:

O candidato à Presidência dos Estados Unidos Barack Obama disse no sábado que seu plano de pôr fim à guerra do Iraque não mudou e se declarou perplexo pela grande repercussão de sua declaração, na semana passada, de que poderia aperfeiçoar em seu cronograma de retirada de tropas norte-americanas. "Para mim, dizer que vou aperfeiçoar minhas políticas não é inconsistente de maneira nenhuma com declarações anteriores e não muda minha visão estratégica de que esta guerra tem de terminar e que vou dar um fim a ela como presidente", disse o democrata a jornalistas em seu avião de campanha. Obama, que foi veemente em sua oposição à guerra durante a campanha pela indicação da candidatura democrata, disse na quarta-feira que poderá alterar seu plano de trazer as tropas para casa em 16 meses depois que assumir o poder, dependendo das condições de combate. O comentário gerou uma grande cobertura da mídia e críticas da esquerda e da direita, com os republicanos dizendo que mostrava como Obama está vacilando na questão do Iraque. "Fiquei um tanto perplexo pelo frenesi que causei com uma declaração que, a meu ver, era bem inócua", disse ele em um vôo de Montana para Saint Louis. "Estou absolutamente comprometido a dar um fim à guerra. Vou convocar os chefes de Estado-Maior das Forças Armadas e dar a eles uma nova tarefa: dar um fim à guerra." Obama enfrentará o republicano John McCain, um forte defensor da guerra, na disputa presidencial de novembro, que certamente terá como um de seus focos o conflito do Iraque. O democrata disse que não cometeu um erro na quarta-feira com sua escolha de palavras ao descrever a questão do Iraque - mesmo que tenha convocado outra entrevista com a imprensa algumas horas depois de seus comentários iniciais para esclarecer sua posição. Ele colocou a culpa nos repórteres. "Fico surpreso de ver como cada palavra foi medida milimetricamente. Eu não disse nada de novo, nada que não havia dito há um ano, quando era senador", afirmou o candidato, que ainda é senador pelo Estado de Illinois. "Se observarem nossa posição, verão que é muito consistente", disse ele. "Estou resoluto na minha convicção de que isso foi um erro estratégico e que esta guerra tem de terminar. Será um erro estratégico ainda maior continuar uma ocupação indefinida, do tipo que John McCain prometeu." Obama disse que sua disposição em considerar as mudanças em campo e as ramificações em potencial da retirada revelam um contraste absoluto com a posição do presidente George W. Bush.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.