PUBLICIDADE

Padre Júlio Lancellotti fala de lei que protege morador de rua: ‘Conflito continuará, ódio é forte’

Norma regulamentada pelo governo federal proíbe usa de ‘arquitetura hostil’ para afastar sem-teto dos espaços públicos. Religioso celebra nova medida, mas reconhece desafios

Foto do author Gonçalo Junior
Por Gonçalo Junior
Atualização:

A lei que protege as pessoas em situação de rua da chamada ‘arquitetura hostil’ das ruas é um passo importante para resgatar a dignidade dos sem-teto, mas está longe de representar o fim dos conflitos pelos espaços públicos das grandes cidades. Essa é a visão do padre Júlio Lancellotti, que empresta seu nome à nova lei por ser um histórico defensor dos direitos humanos, em especial da população de rua de São Paulo.

PUBLICIDADE

“O conflito vai continuar por causa da questão dos interesses financeiros e da especulação imobiliária. O ódio ainda é muito forte. A população de rua aumentou muito. E as respostas diante desse aumento ainda são muito fracas. Damos passos, mas é um longo processo. A caminhada é longa”, disse ao Estadão o coordenador da Pastoral do Povo de Rua e pároco da paróquia de São Miguel Arcanjo, na Mooca.

O decreto que regulamenta a Lei Padre Júlio Lancellotti foi assinado nesta segunda-feira, 11, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida. A regra veda o uso de materiais, estruturas e técnicas construtivas hostis nos espaços livres de uso público que tenham como objetivo afastar pessoas em situação de rua.

O padre Júlio Lancellotti discursa durante o lançamento do Plano Ruas Visíveis no Palácio do Planalto. Foto: Jose Cruz/Agência Brasil Foto: Jose Cruz/Agv™ncia Brasil

Em dezembro, o presidente Jair Bolsonaro (PL) havia vetado a lei, sob argumento de que a expressão “técnicas construtivas hostis” poderia gerar insegurança jurídica, por se tratar de terminologia “em processo de consolidação para inserção no ordenamento jurídico”. O Congresso derrubou o veto.

Mesmo reconhecendo os desafios, o padre destaca a importância do novo instrumento legal. “A regulamentação é um passo dado no sentido de acionarmos a Defensoria Pública, o Ministério Público e o Poder Executivo. Agora existe uma regulamentação com balizas claras de como deve ser combatida e até removida a arquitetura hostil, que sinaliza a ausência de humanização da população em situação de rua”, diz o líder religioso de 72 anos.

A regulamentação ocorreu durante o lançamento do Plano Nacional Ruas Visíveis pelo governo federal, que terá verba de R$ 982 milhões. “É um passo histórico na conquista da dignidade roubada dessa população”, completou o padre.

Em agosto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, ordenou que o governo federal elaborasse um Plano de Ação e Monitoramento para a Efetiva Implementação da Política Nacional para a População em Situação de Rua. Segundo o ministro dos Direitos Humanos, Sílvio Almeida, o novo plano sendo desenvolvido pelo governo federal desde antes da determinação do STF.

Publicidade

Lancellotti é conhecido há décadas por seu trabalho de assistência a pessoas em situação de rua. Nas redes sociais, ele denuncia casos de violência policial e de construções que restringem o uso do espaço público.

Em 2021, sua imagem tentando quebrar pedras instaladas pela Prefeitura de São Paulo embaixo de um viaduto viralizou nas redes sociais. No mesmo ano, o papa Francisco também denunciou a chamada “arquitetura hostil” contra os mais pobres.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.