PUBLICIDADE

Pais pagariam mais para escola não fechar

Com poucos alunos em sala e projeto de inclusão, Michelangelo vai à falência

Por Paulo Saldaña
Atualização:

O dia 9 de dezembro, uma sexta-feira, vai marcar as últimas aulas na escola particular de ensino fundamental Michelangelo, na Vila Mariana, zona sul de São Paulo. A notícia do fechamento da escola, dada na semana passada, surpreendeu os pais de alunos - muitos se prontificaram a pagar mensalidades mais caras para tentar salvar a instituição. A unidade tem uma pedagogia diferenciada, de poucos alunos em sala e com uma elogiada política de inclusão de alunos especiais.

PUBLICIDADE

Estudam na escola atualmente 70 alunos, divididos pelas séries do ensino fundamental (1.º ao 9.º ano). Com uma proposta de ter no máximo 15 alunos por sala, a instituição tinha classes com menos de 10 - oferecendo um sonhado atendimento de atenção quase exclusiva aos estudantes. A inclusão de alunos especiais representa cerca de 40% do total, com deficiências ou distúrbios de diferentes níveis.

Depois de seis anos de funcionamento, a instituição não teve mais condições financeiras de se manter com essas características. "Apostamos em um modelo, mas agora é irreversível. Vamos até o último dia, com toda a programação", diz o diretor, Benedito Aércio Lombardi, experiente pedagogo e um dos fundadores da escola.

A funcionária pública Silvia Marques, de 41 anos, mãe de Henrique, de 11, recebeu a notícia do fechamento da escola na última sexta-feira. O choque foi em dobro. "Tenho de encontrar um nova escola para ele que seja parecida com essa, o que é difícil. Mas a matrícula a gente garante, o pior é ver uma escola como essa fechar", disse ela, cujo filho completa a 5.ª série neste ano. "É uma pena que uma escola que não seja competitiva e mercantilista, como as que mais crescem, não consiga se manter."

Ontem, o desânimo se via na porta da escola entre funcionários e pais que buscavam os filhos. A psicopedagoga Monica Lomaski, de 44 anos, ainda não conseguiu encontrar uma nova escola para o filho de 6 anos. E também não digeriu a notícia. "Eu até chorei quando me avisaram", diz ela, que também é dona de uma escola de educação infantil no bairro.

Segundo Monica, além da própria proposta da escola, os professores eram todos muito bem preparados e experientes. "No ano passado, já era muito certo meu filho vir para cá (

para o 1.º ano

Publicidade

). Ninguém esperava esse fechamento."

Perfis.

As famílias demonstraram apoio à escola. Em reuniões, já indicaram estar dispostos a pagar mais que os atuais R$ 950 de mensalidade - o que não foi aceito. Nesta semana, eles têm sido atendidos individualmente pelo diretor. Com a experiência de já ter passado pelo comando de escolas como Mater Dei e Rousseau, Lombardi tem tentado indicar boas escolas, com perfis adequados aos alunos. "Esperava pais irritados, mas recebi o contrário."

O professor conta que a Michelangelo nasceu com o interesse do pai de um ex-aluno seu, que o convidou a tocar um projeto com esses moldes. Ele, que não teve o nome divulgado, manteve-se como mantenedor. "Os alunos estão muito tristes. A escola já está de luto."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.