PUBLICIDADE

PESQUISA-Cai vantagem de Obama em temas de política externa

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A vantagem do presidente norte-americano, Barack Obama, sobre seu rival republicano Mitt Romney em questões de política externa diminuiu, mas Obama ainda lidera por estreita margem neste quesito, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira. Antes do debate da próxima segunda-feira sobre política externa, 47 por cento dos entrevistados consideram que Obama está mais capacitado para questões de política internacional do que Romney, que apareceu com 43 por cento, segundo o Centro Pew para o Povo e a Imprensa. "Isso representa um avanço substancial para Romney, que estava 15 pontos atrás de Obama em questões de política externa em setembro", disse o Centro Pew. A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 7 de outubro, cerca de três semanas depois do ataque ao consulado dos Estados Unidos em Benghazi, na Líbia, que resultou na morte de quatro funcionários diplomáticos norte-americanos, inclusive um embaixador. Romney usou o incidente como prova de que Obama fracassou em sua liderança internacional. A sondagem ouviu 1.511 adultos, sendo 1.201 eleitores registrados. A margem de erro é de 2,9 pontos percentuais para o total da amostra, e 3,3 pontos percentuais para os eleitores. Outra pesquisa, feita entre os dias 12 e 14 e abordando apenas a questão da Líbia, mostrou que 38 por cento dos adultos reprovam a forma como o governo lidou com o ataque, e 35 por cento aprovam. A pesquisa ouviu 1.006 pessoas, com margem de erro de 3,7 pontos. Como parte da primeira pesquisa, Romney está à frente de Obama (49 x 40 por cento) a respeito das políticas comerciais com a China. Entre os eleitores independentes, a margem sobe para 50 x 34 por cento. Nenhum dos candidatos tem vantagem clara a respeito do programa nuclear iraniano e da instabilidade política no mundo árabe. A pesquisa também mostra um crescente pessimismo dos norte-americanos a respeito do Oriente Médio. Para 57 por cento dos entrevistados, a Primavera Árabe não resultará em melhorias duradouras para as populações afetadas. Em abril de 2011, só 43 por cento tinham tal opinião. (Reportagem de Ian Simpson)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.