PUBLICIDADE

Pesquisa com célula-tronco fere direito à vida, diz Souza

Por CARINA URBANIN
Atualização:

O procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, sustentou no Supremo Tribunal Federal (STF) a aprovação da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) que pede a retirada do trecho da Lei de Biossegurança que permite pesquisas científicas com o uso de células-tronco embrionárias. Segundo ele, a utilização das células-tronco embrionárias fere um direito absoluto assegurado pela o artigo 5º da Constituição Federal, o direito à vida. "O embrião é o ser humano na sua fase inicial de sua vida, ele já sabe como se desenvolver, não se pode desconsiderar que biologicamente o nato já é homem", afirmou o Souza.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.