PUBLICIDADE

Polícia investiga ameaças de morte do PCC

Por Agencia Estado
Atualização:

As supostas ameaças de morte que estariam sendo feitas pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), ao padre Marcelo Rossi, ao secretário da Segurança Pública, Saulo Abreu, ao governador Geraldo Alckmin e aos líderes do MST, José Rainha Júnior e Felinto Procópio dos Santos, o Mineirinho, estão sendo investigadas pelos policiais da Delegacia de Roubo a Banco do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado. O delegado Rui Ferraz Fontes e um grupo de investigadores estão ouvindo os responsáveis pelas cartas que se identificam como participantes do PCC e que estariam alertando as autoridades a respeito dos planos de atentados e ameaças. O diretor do Deic, Godofredo Bittencourt, disse que o número de cartas que chega ao seu departamento é grande e todas são investigadas. Um policial da equipe do delegado Ferraz Fontes informou ontem que até a semana passada, através do Disque Denúncia, 200 telefonemas e cartas com ameaças a diversas autoridades haviam sido mandadas para sua delegacia, para que fossem apuradas. "Das 200 denúncias, nenhuma foi comprovada. Para este tipo de trabalho, estamos deixando de fazer várias investigações em relação a ladrões de bancos e outros criminosos ligados a resgates e carros de transportes de valores". Os líderes do PCC, Júlio César Guedes Moraes, o Julinho Carambola, Sandro Henrique Silva Santos, o Gulu, e o chefe da organização, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, estão recolhidos na penitenciária de Presidente Bernardes e monitorados durante todo o tempo pelos agentes penitenciários. Apesar de toda esta vigilância, os policiais sabem que as informações e ordens dos líderes do PCC estão sendo mandadas para outros presídios. "Mas esse tipo de ordem, até onde sabemos, não tem nada ligado com essas ameaças feitas ao padre Marcelo Rossi e outras autoridades", explicou o policial, que pediu para não ser identificado. Esta mesma equipe de policiais destacada para esta investigação deverá se deslocar a Presidente Bernardes para ouvir os líderes do PCC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.