PUBLICIDADE

Polícia investiga denúncia de estupro e cárcere privado de argentinas em boate de Santa Catarina

Suspeito prestou depoimento e negou as acusações; imagens de câmeras de segurança e telefones celulares estão sendo analisados

Foto do author Redação
Por Redação

A Polícia Civil de Santa Catarina investiga a denúncia de cárcere privado e estupro de duas mulheres de nacionalidade argentina em uma casa noturna de Bombinhas, no litoral catarinense.

PUBLICIDADE

Nesta quinta-feira, 25, policiais cumpriram mandado de busca e apreensão na boate, onde recolheram telefones celulares e câmeras do circuito de segurança interno.

Um suspeito encontrado no local foi encaminhado à delegacia para esclarecimentos. Em depoimento, ele negou as acusações de estupro e cárcere privado e garantiu que não houve nenhum tipo de irregularidade na boate. Ele foi autuado por posse de drogas para consumo pessoal e liberado em seguida.

Polícia Civl de Santa Catarina investiga estupro e cárcere privado de duas argentinas em Bombinhas Foto: Andreia Reis/Wikimedia Commons

Na noite da última segunda-feira, 22, a Delegacia de Bombinhas foi acionada pela Polícia Militar para atender duas mulheres que estavam em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade e denunciavam ter sido vítimas de estupro e cárcere privado.

Após serem liberadas da UPA, elas foram encaminhadas ao Instituto Médico Legal (IML) de Balneário Camboriú, onde foram submetidas a exame de corpo de delito para determinar se foram estupradas e/ou agredidas fisicamente.

Em depoimento à polícia, as mulheres contaram que tinham trabalhado na casa noturna durante duas semanas, antes de serem agredidas e mantidas em cárcere privado.

Uma das mulheres está retornando para a Argentina com o apoio da Assistência Social do município e a outra pretende continuar no País.

Publicidade

A polícia informou que vai agora analisar as imagens do circuito interno de segurança da boate e o conteúdo dos celulares apreendidos no local para determinar o que aconteceu. Segundo a polícia, por enquanto não há suspeita de tráfico de pessoas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.