PUBLICIDADE

Policiais usam gás de pimenta em ato do MST no Rio

Por Felipe Werneck
Atualização:

O angu à baiana do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) terminou com gás de pimenta. Policiais militares lançaram hoje o spray contra integrantes do MST e ambientalistas que carregavam um fogão e um botijão de gás de cozinha com a intenção de preparar a refeição na frente da entrada principal do prédio-sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no centro do Rio. O movimento protestava contra o financiamento do BNDES a "monoculturas predatórias de eucalipto e cana-de-açúcar". O comandante do 13.º Batalhão da Polícia Militar (PM), tenente-coronel Antônio Henrique Oliveira, disse que a tropa usou o gás de pimenta "só para dar aquela esfriada (nos manifestantes) e não precisar usar o porrete". Houve empurra-empurra e um militante foi detido durante o tumulto. Em seguida, foi liberado. Oliveira admitiu que houve um "mal-entendido". "O problema é que, no início, parecia que queriam botar fogo, havia um risco. Agora, uma comissão deles já foi recebida (no BNDES)", declarou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.