PUBLICIDADE

Assembleia do Rio aprova projeto para tentar amenizar crise do Estado

Alguns deputados estimam que as medidas vão permitir uma antecipação de receitas superior a R$ 300 milhões

Por Fabio Grellet
Atualização:

RIO - A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou na quarta-feira (10) o projeto de lei 2.726/17, que permitirá que as empresas contribuintes do Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEEF), criado pela Lei 7.428/16, antecipem suas contribuições ao Fundo mediante um desconto no futuro que pode chegar a 14% ao ano.

Os contribuintes de ICMS do Estado, mesmo os que não fazem parte das regras do Fundo, também poderão aderir ao programa antecipando 20% do ICMS pago no ano anterior. Essa é uma das medidas propostas pelo governo estadual para tentar garantir recursos para o Estado do Rio enquanto a ajuda federal, que depende de aprovação em Brasília, não chega.

Sede da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), que aprovou medida emergencial em face da crise sem precedentes do Estado. Foto: Zô Guimarães/Alerj/Divulgação

PUBLICIDADE

Alguns deputados estimam que as medidas implantadas por esse projeto vão permitir uma antecipação de receitas superior a R$ 300 milhões, estimativa inicial do governo. Emenda de autoria do presidente em exercício da Casa, André Ceciliano (PT), permitiu que todos os contribuintes de ICMS do Estado, se desejarem e tiverem caixa, possam aderir à lei, cujo efeito valerá até dezembro de 2018.

As empresas podem antecipar até 20% do montante de ICMS apurado no ano anterior. Em troca, recebem desconto nas parcelas devidas futuramente. As antecipações podem ser feitas em 3, 5 e 7 meses, conforme tabela estabelecida na lei.

“Hoje, 100 empresas no Estado respondem por 90% da arrecadação, estimada em R$ 35 bilhões ao ano, sem contar os 2% do Fundo Estadual de Pobreza. As empresas que têm caixa e apuram R$ 2 bilhões por ano para o Estado vão ter interesse em aderir, porque eles terão uma vantagem financeira real, bem melhor que uma aplicação financeira”, disse Ceciliano.

Ele lembra que a medida é emergencial em face da crise sem precedentes do Estado, quando se anuncia o risco de parcelar salários até da Polícia Militar. O deputado Carlos Osório (PSDB) não é tão otimista. “Não acredito que as empresas terão caixa para isso nem que terão coragem de adiantar recursos para um governo sem credibilidade como esse”. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.