PUBLICIDADE

Sobrinha faz carta em homenagem a médico encontrado morto no RS: ‘Passou mais de 10 anos estudando’

Familiar relata planos e lamenta morte precoce de Leandro Medice; causa será investigada pela Polícia Civil

Por Leonardo Zvarick
Atualização:

Uma sobrinha do médico Leandro Medice, encontrado morto no abrigo em que atuava como voluntário na cidade gaúcha de São Leopoldo, publicou nas redes sociais uma carta de despedida ao familiar. Natural do Espírito Santo, o profissional viajou até o Rio Grande do Sul no último fim de semana para auxiliar no atendimento às vítimas das enchentes que atingem o Estado.

A nutricionista Amanda Medice, de 22 anos, começa o texto lembrando de alguns planos recentes do tio, como um almoço que combinaram, uma reforma na casa em que ele morava e ideias que tinha para sua clínica. “E do nada, pela manhã, [você] morre. Como assim?”, indaga a jovem na publicação.

Na foto, Leandro Medice, médico que faleceu no Rio Grande do Sul. Ele estava no Estado gaúcho para ajudar as vítimas de enchentes. Foto: Reprodução/Instagram/leandromedice

PUBLICIDADE

No depoimento, Amanda relata a trajetória profissional de Medici, que era também seu padrinho. “Você passou mais de 10 anos estudando, se profissionalizando. Fez fisioterapia, medicina, se especializou em cardiologia, intensivista, transplante capilar”, conta ela no texto.

“De uma hora para a outra, tudo termina num infarto no meio da tragédia que você foi ajudar no Rio Grande do Sul”, escreveu Amanda. A causa da morte, ocorrida na última segunda-feira, 13, ainda será confirmada após investigação da Polícia Civil.

Medice residia em Vila Velha, no litoral capixaba, onde mantinha clínica especializado em transplante capilar, estética avançada, medicina chinesa e nutrologia.

“Morrer é uma loucura. Te obriga a sair da festa na melhor hora, sem se despedir de ninguém, sem ter um último abraço ou um último ‘te amo’. Dindo, meu amor, éramos tão iguais e nunca me imaginei escrevendo isso para você… para sempre serei sua filha, sua cópia!”, concluiu Amanda na carta de despedida, ilustrada por uma fotografia em que os dois aparecem de mãos dadas.

A morte do voluntário motivou diversas manifestações de solidariedade nas redes sociais. Autoridades como o presidente Lula (PT) e o governador Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul, publicaram textos dirigidos à família de Medice e a todos os voluntários mobilizados em apoio às vítimas da tragédia climática.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.