PUBLICIDADE

Valcke confia em conclusão do Beira-Rio dentro do prazo

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, fez nesta quarta-feira uma visita de inspeção ao estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, a arena com o percentual menos avançado de conclusão das obras de reforma para a Copa do Mundo de 2014. Apesar de a arena do Internacional estar com 38,6 por cento de conclusão das obras de adequação para o Mundial, Valcke garantiu que não há preocupações por parte da Fifa sobre a entrega do estádio dentro do prazo, em dezembro do ano que vem. "Com estas discussões (que tivemos aqui), estamos confiantes que todo o cronograma vai ser respeitado, e não é só sobre o estádio, é todo o entorno", disse Valcke, que foi acompanhado do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e de autoridades locais, ao final da visita. O estádio, que receberá cinco jogos da Copa do Mundo --quatro pela fase de grupos e um das oitavas de final-- ainda está recebendo partidas do Internacional e só deverá ser fechado para obras após o encerramento do Campeonato Brasileiro. Os investimentos na reforma do Beira-Rio chegarão a 330 milhões de reais, sendo 235 milhões através de financiamento federal. O estádio terá capacidade para 52 mil torcedores quando a reforma for concluída. Na terça-feira, ao visitar as obras do Mineirão, em Belo Horizonte, Valcke colocou em dúvida a realização da Copa das Confederações de 2013 em seis cidades, conforme previsto inicialmente, por causa do atraso nas obras. O secretário-geral não citou quais estádios estariam correndo risco de serem cortados, mas a Fifa e o governo já haviam dito no passado que o Recife preocupava por estar com as obras atrasadas na Arena Pernambuco. Perguntado por repórteres sobre a possibilidade de a capital pernambucana ser retirada da Copa das Confederações de 2013, Valcke disse, nesta quarta, que a "decisão será tomada em novembro". A Arena Pernambuco foi incluída pela Fifa como sede do torneio no ano que vem, que serve como preparatório para a Copa do Mundo de 2014, ao lado de Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Salvador e Rio de Janeiro. No entanto, a Fifa estabeleceu o mês de novembro como limite para a decisão final sobre o número de sedes, dependendo do andamento dos preparativos nas cidades. A federação inclusive preparou tabelas alternativas para realizar a competição também com quatro ou cinco sedes. Na entrevista coletiva em Porto Alegre, Valcke e Aldo voltaram a ser perguntados sobre a frase, dita em março pelo secretario-geral da Fifa, que o Brasil precisava de um "chute no traseiro" para concluir as obras em dia. Aldo respondeu afirmando que todos os países e cidades enfrentam problemas ao organizar grandes eventos. "Problemas, não preciso falar que o Brasil tem, o Rio Grande do Sul tem e Porto Alegre também tem. Quem foi à Olimpíada de Londres pôde comprovar que houve problemas... só que há diferença entre construir a imagem de um evento a partir do que deu certo ou a partir do que pode dar errado", disse. Valcke não comentou a frase e apenas afirmou que não tem dúvidas de que as obras no estádio e em Porto Alegre estarão prontas para a Copa. (Reportagem de Ana Flor)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.