PUBLICIDADE

Vaticano inclui poluição e transgênicos em nova lista de pecados

Por PHILI
Atualização:

Não poluirás a Terra. Temerás a manipulação genética. Novos tempos trazem novos pecados. Por isso, o Vaticano disse aos fiéis que eles devem estar atentos a "novos" pecados, como os danos ambientais. A orientação foi divulgada no fim de semana pelo arcebispo Gianfranco Girotti, número 2 do Vaticano na às vezes turva área dos pecados e da penitência. Questionado durante entrevista ao L'Osservatore Romano (órgão oficial do Vaticano) sobre quais seriam os "novos pecados", Girotti disse que a zona de maior perigo para a alma moderna é o mundo ainda quase inexplorado da bioética. "(Dentro da bioética) há áreas onde devemos absolutamente denunciar algumas violações dos direitos fundamentais da natureza humana, por meio de experiências e da manipulação genética, cujos resultados são difíceis de prever e controlar", afirmou. O Vaticano é contra pesquisas com células-tronco embrionárias e alerta contra a possibilidade da clonagem humana. Na entrevista, intitulada "Novas formas de pecado social", Girotti cita ainda ofensas "ecológicas". Nos últimos meses, o papa Bento 16 fez vários apelos enfáticos pela proteção do meio ambiente, dizendo que questões como a mudança climática se tornaram muito importantes para toda a humanidade. O Vaticano está cada vez mais "ambientalmente correto" desde o pontificado de João Paulo 2o, antecessor de Bento 16. A Santa Sé já instalou células fotovoltaicas em seus prédios para gerar eletricidade e promoveu uma conferência científica para discutir as ramificações do aquecimento global e da mudança climática, que muitos cientistas atribuem principalmente ao uso de combustíveis fósseis. Girotti, subdiretor da "Penitenciária Apostólica", que trata de questões de consciência, também citou o narcotráfico e as injustiças sociais como pecados modernos. O arcebispo lamentou que cada vez menos católicos apareçam no confessionário, e citou um estudo da Universidade Católica de Milão segundo o qual 60 por cento dos fiéis na Itália deixaram de se confessar. No sacramento da penitência, os católicos confessam seus pecados a um padre, que os absolve em nome de Deus. Mas o mesmo estudo da Universidade Católica mostrou que 30 por cento dos católicos italianos acreditam que não há necessidade de um padre como intermediário do perdão divino, e que 20 por cento se sentem desconfortáveis relatando seus próprios pecados a outros.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.