PUBLICIDADE

'Vexame nacional' causou renúncia ao comando da USP

Por Sergio Pompeu
Atualização:

Engenheiro e físico respeitado, Roberto Lobo também tem sua trajetória acadêmica associada a uma decisão inusitada: renunciou à reitoria da USP, em 1993. Hoje ele atribui o episódio ao que considera um "vexame nacional", a condescendência de seus pares com a virtual paralisia da universidade em épocas de sucessão. "Logo no início do segundo semestre de 1993, eu estava aborrecido. Os processos não andavam. Começou a haver interesses políticos, o cara não aprovava nada, com medo de valorizar sei lá quem", conta. Mas a gota d'água para o pedido de afastamento ocorreu pela intervenção de um integrante do primeiro escalão da gestão. "Ele foi à minha sala e disse: 'Ô, Roberto, todo reitor da USP viaja três meses antes das eleições, some daqui. Não dá para ser reitor em véspera de eleição.' Fiquei revoltado com aquilo... Não é possível que a USP, que ganha US$ 1 milhão por dia de tributos, pare três meses por causa de uma eleição. Fui embora. Ficar ali de rainha da Inglaterra, assistindo aos outros ficarem brigando, seria um escândalo."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.