PUBLICIDADE

Arqueólogos encontram ‘vale perdido de cidades’ de 2 mil anos na Amazônia do Equador

Com tecnologia moderna a laser, cientistas descobriram um conjunto de cidades que abrigava pelo menos 10 mil pessoas, e colocam em xeque compreensão sobre o passado da floresta antes da chegada dos europeus

Foto do author Redação
Por Redação

Arqueólogos descobriram um conjunto de cidades perdidas na Floresta Amazônica do Equador que abrigava pelo menos 10 mil agricultores há cerca de 2 mil anos.

PUBLICIDADE

Uma série de montículos de terra e estradas enterradas no Equador foram notadas pela primeira vez há mais de duas décadas pelo arqueólogo Stéphen Rostain. Mas, na época, “não tinha certeza de como tudo se encaixava”, disse ele, um dos pesquisadores que relataram a descoberta na quinta-feira, 11, na revista científica Science.

Recentemente, mapeamentos feitos por tecnologia de sensor a laser revelaram que esses locais fazem parte de uma densa rede de assentamentos e estradas conectadas, escondidas nas colinas arborizadas dos Andes, que duraram cerca de 1 mil anos. “Era um vale perdido de cidades”, disse Rostain, que lidera as investigações no Centro Nacional de Pesquisa Científica da França. “É incrível.”

Imagem mostra uma rua principal atravessando uma área urbana, criando um eixo ao longo do qual complexos de plataformas retangulares são dispostos em torno de praças baixas no sítio Copueno, no Vale Upano, no Equador Foto: Antoine Dorison, Stéphen Rostain via AP

Os assentamentos foram ocupados pelo povo Upano entre aproximadamente 500 a.C. e 300 a 600 d.C. — um período mais ou menos contemporâneo ao Império Romano na Europa, conforme descobriram os pesquisadores.

Edificações residenciais e cerimoniais erguidas em mais de 6 mil montículos de terra eram circundadas por campos agrícolas com canais de drenagem. As maiores estradas tinham 10 metros de largura e se estendiam por 10 a 20 quilômetros.

Embora seja difícil estimar a dimensão da população, o local abrigava pelo menos 10 mil habitantes — e talvez até 15 mil ou 30 mil em seu auge, afirmou o arqueólogo Antoine Dorison, coautor do estudo, do mesmo instituto francês. Isso é comparável à população estimada da Londres da Era Romana — na época, a maior cidade da Grã-Bretanha.

Imagem mostra complexos de plataformas retangulares dispostas em torno de quadrados baixos e distribuídas ao longo de largas ruas escavadas no sítio Kunguints, no Vale Upano, no Equador  Foto: Antoine Dorison, Stéphen Rostain via AP

“Isso mostra uma ocupação muito densa e uma sociedade extremamente complicada”, disse o arqueólogo da Universidade da Flórida, Michael Heckenberger, que não esteve envolvido no estudo. “Para a região, está realmente em uma categoria própria em termos de quão precoce é.”

Publicidade

José Iriarte, arqueólogo da Universidade de Exeter, afirmou que seria necessário um sistema elaborado de trabalho organizado para construir as estradas e milhares de montículos de terra. “Os Incas e Maias construíam com pedra, mas as pessoas na Amazônia geralmente não tinham pedra disponível para construir — eles construíam com barro. Ainda assim, é uma quantidade imensa de trabalho”, disse Iriarte, que também não esteve envolvido na pesquisa.

A Amazônia é frequentemente considerada como uma “natureza intocada com apenas pequenos grupos de pessoas”. No entanto, descobertas recentes têm mostrado o quão mais complexo realmente era o passado” da floresta, disse ele.

Recentemente, cientistas também encontraram evidências de sociedades intricadas na floresta tropical que antecederam o contato europeu em outras partes da Amazônia, incluindo na Bolívia e no Brasil. “Sempre houve uma incrível diversidade de pessoas e assentamentos na Amazônia, não apenas uma maneira de viver”, disse Rostain. “Estamos apenas aprendendo mais sobre eles”./AP

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.