PUBLICIDADE

Astrônomos descobrem campo magnético em buraco negro da Via Láctea; veja imagem

Nova captação feita pelo projeto de colaboração do Telescópio Event Horizon (EHT, em inglês) revelou campos magnéticos fortes e organizados em espiral na borda do buraco negro Sagittarius A

Foto do author Ramana Rech
Por Ramana Rech

Uma nova imagem feita pelo projeto de colaboração do Telescópio Event Horizon (EHT, em inglês) revelou campos magnéticos fortes e organizados em espiral na borda do buraco negro Sagittarius A (Sgr A), localizado no centro da Via Láctea.

O projeto EHT produziu uma nova imagem do buraco negro Sgr A a partir de luz polarizada, em que foi possível enxergar seu campo magnético Foto: Divulgação/Observatório Europeu do Sul

PUBLICIDADE

A imagem tem semelhanças com o campo magnético de outro buraco negro muito maior do que o Sgr A, chamado M87, que fica na galáxia Messier 87. Isso sugere que campos magnéticos fortes são comuns para todos os buracos negros.

“Com amostra de dois buracos negros – com galáxias e massas bem diferentes –, é importante determinar no que eles concordam e discordam. Como os dois estão apontando em direção a um campo magnético forte, isso sugere que talvez essa seja uma características universal ou mesmo fundamental desse tipo de sistema”, explica a cientista do Projeto EHT, Mariafelicia De Laurentis.

Localizado a 27 mil anos-luz do planeta Terra, o Sgr A teve sua primeira imagem revelada em 2022, em coletivas de imprensa ao redor do mundo. A partir disso, os cientistas notaram que o Sgr A lembrava bastante o M87, que foi o primeiro buraco do negro a ser registrado e é dez vez maior que o outro.

Pesquisas sobre o M87 indicaram que os campos magnéticos da região permitiam que o buraco negro expelisse poderosos jatos de material no ambiente ao redor. As imagens divulgadas no The Astrophysical Journal Letters mostram que o mesmo também pode ser verdade para o Sgr A.

Mariafelicia De Laurentis destaca que, enquanto no M87 o lançamento de materiais foi de fácil captura, no caso do Sgr A os pesquisadores ainda não conseguiram registrar essa atividade.

Em luz polarizada, estão as imagens lado a lado dos buracos negros M87 e Sgr A, que indicam semelhanças entre eles Foto: Divulgação/Observatório Europeu do Sul (EOS)

Luz polarizada

Para enxergar o campo magnético, os pesquisadores utilizaram luz polarizada. Luz é uma onda eletromagnética que oscila e se movimenta. Quando tem uma orientação para determinado lado, está polarizada. Mas seres humanos não conseguem distinguir esse efeito da luz normal a olhos nus. No caso do buraco negro, partículas nas linhas do campo magnético têm um padrão de polarização perpendicular ao do campo.

Publicidade

Por meio de equipamentos que capturam a luz polarizada, os pesquisadores conseguem ter mais detalhes sobre as propriedades do gás e dos mecanismos que acontecem nos buracos negros.

Entretanto, observar esses sistemas por meio dessas ondas não é fácil mesmo com equipamentos. No caso do Sgr A, houve um desafio adicional pela velocidade com que se mexe, de forma que até o registro a partir de luz polarizada se tornou difícil.

O EHT vai voltar a observar o Sgr A em abril deste ano. A expectativa é de que planos de expansão para a próxima década possibilitem visualizar o jato escondido do sistema. O projeto de colaboração internacional conta com participação de 300 pesquisadores da África, Ásia, Europa, América do Sul e do Norte.

Os resultados foram publicados em dois artigos na The Astrophysical Journal Letters.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.