Como a colisão de uma nave da Nasa conseguiu alterar a forma de um asteroide; veja

Primeiro experimento de defesa planetária foi considerado um sucesso, mas um novo estudo destaca agora que o impacto não escavou uma cratera normal

PUBLICIDADE

Por Robin George Andrews
Atualização:
Correção:

Em 2022, quando a espaçonave de US$ 325 milhões da Nasa se chocou contra um asteroide chamado Dimorphos a 14 mil milhas por hora (22,5 mil km/h), houve aplausos e gritos na Terra.

PUBLICIDADE

A missão DART (Double Asteroid Redirection Test, Teste de Redirecionamento de Asteroide Duplo) da Nasa deliberadamente visou o Dimorphos para mudar sua órbita em torno do asteroide maior Didymos como uma espécie de ensaio geral para impedir uma rocha espacial mortal que poderia um dia vir em direção à Terra.

O primeiro experimento de defesa planetária do mundo foi considerado um triunfo: a órbita do asteroide encolheu 33 minutos, muito acima do limite mínimo de 73 segundos.

Mas o que a equipe do DART não percebeu na época foi o quão bizarra foi a reação de Dimorphos a esse soco. Um novo estudo, publicado na segunda-feira na Nature Astronomy, concluiu que o DART atingiu Dimorphos com tanta força que o asteroide mudou de forma.

Simulações do impacto sugerem que a morte da espaçonave não escavou uma cratera normal, em forma de tigela. Em vez disso, ela deixou para trás algo que se assemelha a um amassado. E, embora o impacto artificial tenha explodido milhões de toneladas de rocha no espaço, muitas delas foram lançadas de volta para suas laterais como tremendas ondas gigantescas. Isso ampliou o Dimorphos, transformando-o de um orbe atarracado em um oval de topo plano - como um doce M&M.

Dimorphos foi rapidamente envolvido por um enxame de rochas e foi seguido por uma cauda de cometa de 20.000 milhas de comprimento que persistiu por meses Foto: Raducan et al., Nature

O fato de o asteroide agir como um fluido se deve à sua composição peculiar. Não se trata de uma rocha sólida e contígua, mas mais como “um monte de areia”, disse Sabina Raducan, cientista planetária da Universidade de Berna, na Suíça, e principal autora do estudo. E um asteroide de baixa densidade, mal mantido unido por sua própria gravidade, nunca responderia de forma direta quando uma espaçonave do tamanho de uma van voasse em sua direção.

A resposta do Dimorphos está “completamente fora do domínio da física como a entendemos” em nosso dia a dia, disse Cristina Thomas, líder do grupo de trabalho de observações da missão na Northern Arizona University, que não esteve envolvida no estudo. E “isso tem implicações abrangentes para a defesa planetária”.

Publicidade

O DART mostrou que uma pequena espaçonave pode desviar um asteroide. Mas o estudo indica que, ao colidir com uma rocha espacial desarticulada com força excessiva, corre-se o risco de fragmentá-la, o que, em uma emergência real de asteroides, poderia criar vários asteroides terrestres.

A defesa planetária, como conceito, claramente funciona. “Sabemos que podemos fazer isso”, disse Federica Spoto, pesquisadora de dinâmica de asteroides do Center for Astrophysics, Harvard e Smithsonian, que não participou do novo estudo. “Mas temos que fazer isso direito.”

O Dimorphos foi escolhido para ser o alvo do DART por inúmeras razões. Um dos mais importantes foram suas dimensões: Com cerca de 160 metros de diâmetro, ele tem o tamanho exato de uma variante comum de asteroide pedregoso que poderia aniquilar facilmente uma cidade.

PUBLICIDADE

Por ser tão pequeno e, portanto, difícil de ser observado da Terra, pouco se sabia sobre o Dimorphos antes que o DART o vislumbrasse de perto durante a aproximação terminal da espaçonave. Mas muitos cientistas suspeitavam que se tratava de uma pilha de escombros, uma coleção de pedras espaçadas.

As poucas missões espaciais que visitaram asteroides de tamanho semelhante - mesmo aqueles com composições geológicas diferentes - também descobriram que eles não tinham coesão. Isso faz com que eles se comportem de forma estranha. Por exemplo, quando a espaçonave OSIRIS-REx da NASA tocou brevemente a superfície do asteroide Bennu para roubar uma amostra, ela quase afundou completamente no asteroide, como se estivesse mergulhando em um poço de bolas de plástico.

A missão DART da Nasa deliberadamente visou o Dimorphos para mudar sua órbita  Foto: DART/Nasa

O fato de a colisão do DART ter derrubado o Dimorphos de forma tão significativa demonstrou que a deflexão desses tipos de asteroides pode ser bem-sucedida mesmo quando suas propriedades são amplamente desconhecidas de antemão.

Mas as primeiras observações feitas por telescópios terrestres, observatórios espaciais e o LICIACube (um pequeno satélite que acompanhava a espaçonave DART) indicaram que o Dimorphos reagiu de forma inesperada a esse ato de vandalismo interplanetário.” Muito material foi jogado fora”, disse o Dr. Thomas. Dimorphos foi rapidamente envolvido por um enxame de rochas e foi seguido por uma cauda de cometa de 20.000 milhas de comprimento que persistiu por meses.

Publicidade

Que outras surpresas Dimorphos pode ter reservado? Hera, uma missão da Agência Espacial Europeia, será lançada em outubro deste ano e chegará a Dimorphos no final de 2026 para examinar os destroços do asteroide.

Mas a Dra. Raducan estava impaciente, decidindo, em vez disso, prever o que a Hera poderia descobrir. Sua equipe fez simulações do impacto, na esperança de ver qual resultado virtual se encaixava melhor nas fugazes observações pós-impacto feitas em Dimorphos. A falta de uma cratera clássica e um asteroide transmogrificado não é o que a maioria dos astrônomos previu.

Assim como seus irmãos asteroides explorados anteriormente, o Dimorphos reagiu de forma inesperada ao ser cutucado com raiva por um robô. Isso significa que, se o mundo precisar ser salvo de uma pilha de escombros que se aproxima, não se pode fazer suposições.

“Precisamos de mais missões espaciais para asteroides”, disse o Dr. Raducan. “Só porque impactamos um asteroide, não significa que todos eles se comportarão da mesma forma.” /THE NEW YORK TIMES

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Correções

A versão original da tradução do texto trazia uma informação incorreta sobre as dimensões do asteroide. A informação foi corrigida.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.