Como os dinossauros foram extintos? Poeira pode ser a resposta, diz estudo; entenda

Após colisão de asteroide, nuvem de poeira fina cobriu o planeta e teria permanecido na atmosfera durante 15 anos, interrompendo a fotossíntese durante dois anos; pesquisa é importante para entender como extinções em massa ocorrem e como evolução foi moldada

PUBLICIDADE

Por Carolyn Y. Johnson

THE WASHINGTON POST - Os poderosos dinossauros podem ter sido destruídos por poeira, de acordo com um estudo publicado na revista científica Nature Geoscience.

PUBLICIDADE

Durante décadas, os cientistas souberam que um asteroide gigante colidiu com o que hoje é a Península de Yucatán, há cerca de 66 milhões de anos. A maioria dos especialistas concorda que o evento desencadeou uma extinção em massa que eliminou três quartos de todas as espécies, incluindo quase todos os dinossauros.

Mas precisamente como o impacto levou a um apocalipse permanece incerto, com muita atenção focada no “impact winter” (inverno de impacto, na tradução literal) que ocorreu depois – um período de frio e escuridão em todo o globo.

Em 1980, cientistas postularam que o asteroide levantou uma grande nuvem de poeira de rocha pulverizada que deixou as plantas sem luz solar. Mas investigações mais recentes centraram-se na fuligem que bloqueava o sol, proveniente do impacto inicial e dos subsequentes incêndios florestais globais, ou nos aerossóis de enxofre de longa duração libertados pelo cataclismo.

A questão de como o Sol foi bloqueado, e durante quanto tempo, tem sido fundamental para ser desvendada, porque moldou a evolução da vida no planeta de formas fundamentais. Um período prolongado de escuridão que impedisse a capacidade das plantas de transformar a luz solar em energia (fotossíntese) poderia ter levado ao colapso de toda a cadeia alimentar. Compreender como a vida respondeu e, em alguns casos, sobreviveu a um evento climático tão extremo pode fornecer informações sobre extinções futuras.

Para o novo estudo, os investigadores combinaram a simulação computacional com uma análise das camadas de sedimentos no sítio paleontológico de Tanis, que preserva as consequências do impacto de Chicxulub com detalhes extraordinários. O trabalho revela que uma enorme nuvem de poeira fina cobriu o planeta e teria permanecido na atmosfera durante 15 anos, arrefecendo a superfície da Terra em 60 graus e interrompendo a fotossíntese durante dois anos.

“A poeira pode interromper a fotossíntese durante tanto tempo que pode representar sérios desafios”, disse Cem Berk Senel, cientista planetário do Observatório Real da Bélgica que liderou o estudo. “Isso poderia resultar em uma reação em cadeia de extinção para todas as espécies da cadeia alimentar”.

Publicidade

Reconstrução artística retrata Dakota do Norte, nos EUA, nos primeiros meses após o impacto de um asteroide na costa do México, há 66 milhões de anos, mostrando um mundo escuro, empoeirado e frio Foto: Mark A. Garlick/Reuters

Novas pistas em Dakota do Norte

Muitas equipes de investigação tentaram modelar as consequências do impacto de Chicxulub. O novo estudo destaca-se porque a equipe baseou-se em dados do sítio de Tanis, na atual Dakota do Norte, nos EUA, que foram revelados ao público em 2019.

Único entre os sítios de fósseis, Tanis captura as consequências imediatas do evento de impacto com detalhes tão incríveis que os cientistas podem dizer em que estação os dinossauros morreram - era um dia de primavera no final do Cretáceo.

A equipe de Senel descobriu que os grãos finos de poeira do local de Tanis têm aproximadamente o mesmo tamanho que as bactérias microscópicas, uma faixa de tamanho pequena, mas não muito pequena, que teria permitido que a poeira persistisse na atmosfera por 15 anos. Isso significa que a poeira teria contribuído mais para impedir que a luz solar atingisse a superfície do que as partículas de fuligem ou os aerossóis de enxofre, relatam.

“É um estudo fascinante”, escreveu Clay Tabor, professor assistente do departamento de ciências da terra da Universidade de Connecticut, por e-mail. Tabor em 2020 publicou um artigo na Geophysical Research Letters mostrando que a fuligem dos incêndios teria sido o principal fator do desligamento fotossintético.

PUBLICIDADE

Tabor disse que as novas informações sobre o tamanho da poeira ajudarão a melhorar as simulações do clima após o impacto. Os grãos de poeira que os investigadores descobriram podem ter persistido na atmosfera durante muito tempo, de acordo com o modelo utilizado pelos investigadores, levando a uma diminuição maior da luz solar na superfície do que outras partículas bloqueadoras solares.

Mas Tabor questiona se as diferenças nos modelos climáticos poderiam explicar as diferenças entre os vários estudos. Por exemplo, o novo modelo previu que uma quantidade semelhante de fuligem teria um efeito menor sobre a luz solar do que alguns modelos anteriores.

O comportamento de partículas minúsculas na atmosfera é complicado e “esses processos podem ser difíceis de simular com precisão, especialmente no caso extremo do impacto de Chicxulub”, disse Tabor.

Publicidade

Kunio Kaiho, cientista planetário da Universidade de Tohoku, no Japão, publicou uma pesquisa que mostra que o asteroide colidiu com a Terra no local certo para causar uma extinção em massa, atingindo rochas ricas em petróleo e gerando fuligem que bloqueia o sol.

Kaiho disse que o novo estudo “tem uma importância significativa na nossa compreensão dos mecanismos responsáveis pelo arrefecimento global e pelas extinções em massa”.

Um ‘potpourri’ de catástrofe

O impacto gigante não criou apenas uma nuvem de poeira. O asteroide de dez quilômetros de largura causou tremores na Terra, gerando tsunamis. Ele ejetou detritos que caíram novamente, aquecendo a atmosfera na reentrada e causando incêndios florestais globais.

Ele levantou poeira de rocha e outros tipos de aerossóis e liberou gases de efeito estufa que deram início a um período posterior de aquecimento global que pode ter durado dezenas de milhares de anos.

Arte mostra um asteroide colidindo com a Terra em um evento que os cientistas acreditam ter ocorrido na região do Caribe, na fronteira dos períodos Cretáceo e Terciário da história geológica da Terra, há cerca de 65 milhões de anos, causando a extinção dos dinossauros Foto: Reuters/Nasa/Don Davis

David Kring, cientista planetário do Instituto Lunar e Planetário de Houston que não esteve envolvido no estudo, disse que o novo trabalho confirma a hipótese original por trás da extinção em massa, que atribuiu a paralisação da fotossíntese à poeira.

“A duração da escuridão é realmente importante, porque se, de fato, a fotossíntese foi interrompida e isso levou às extinções, terá de ficar escuro durante um período de tempo bastante substancial (para isso acontecer)”, disse Kring.

Mas acrescentou que as amplas consequências ambientais do impacto - desde os incêndios florestais globais à chuva de ácido sulfúrico e às grandes mudanças climáticas - tornam difícil descobrir uma causa singular para as mortes generalizadas.

Publicidade

“Cada uma dessas consequências ambientais afetou diferentes partes do mundo e durou diferentes períodos de tempo”, disse. “Portanto, uma das coisas que entendemos em geral, e ainda não em detalhes, é que foi realmente essa miscelânea de efeitos ambientais que levou às extinções.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.