PUBLICIDADE

Enorme explosão de estrela é esperada para este ano e poderá ser vista da Terra; veja animação

Segundo a Nasa, esta poderia ser uma oportunidade única de observação, já que o fenômeno ocorre, em média, a cada 80 anos; T Coronae Borealis explodiu pela última vez em 1946

Foto do author Renata Okumura
Por Renata Okumura

Um sistema estelar, localizado a 3 mil anos-luz de distância da Terra, vai se tornar visível a olho nu, em breve, segundo divulgação feita pela Agência Aeroespacial dos Estados Unidos (Nasa). T Coronae Borealis ou T CrB, como é chamado, explodiu pela última vez em 1946 e os astrônomos acreditam que o fenômeno irá se repetir entre fevereiro e setembro deste ano.

Esta poderia ser uma oportunidade única de observação, já que a explosão só ocorre, em média, a cada 80 anos. “O sistema estelar, normalmente de magnitude +10, que é muito escuro para ser visto a olho nu, saltará para magnitude +2 durante o evento. Este terá brilho semelhante ao da Estrela do Norte, Polaris”, afirmou a agência aeroespacial.

A animação abre com a gigante vermelha no lado direito da tela, co-orbitando a anã branca. Quando a gigante vermelha se move atrás da anã branca, uma nova explosão na anã branca se acende, enchendo a tela com luz branca. Foto: Divulgação/Nasa

PUBLICIDADE

Esta nova recorrente é apenas uma das cinco em nossa galáxia. Isto acontece porque T CrB é um sistema binário com uma anã branca e uma gigante vermelha.

“As estrelas estão suficientemente próximas para que, à medida que a gigante vermelha se torna instável devido ao aumento da temperatura e pressão e começa a ejetar as suas camadas exteriores, a anã branca recolhe essa matéria na sua superfície”, explica a Nasa.

“A atmosfera rasa e densa da anã branca eventualmente aquece o suficiente para causar reação termonuclear descontrolada – que produz a nova explosão que pode ser vista da Terra”, acrescenta a agência americana.

Uma estrela gigante vermelha e uma anã branca orbitam uma à outra nesta imagem reproduzida de uma animação. Quando a gigante vermelha se move atrás da anã branca, uma nova explosão na anã branca se acende, enchendo a tela com luz branca. Foto: Divulgação/Nasa

Quando seu brilho atingir o pico, ele deverá ser visto da Terra por vários dias e pouco mais de uma semana com binóculos antes de escurecer novamente, possivelmente por mais 80 anos, segundo estimativas da Nasa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.