Por que os humanos não têm rabo? Cientistas acharam explicação

Pesquisadores identificaram fator que pode ter definido mudança na espécie ao longo do tempo

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Por volta de 20 milhões ou 25 milhões de anos atrás, quando os símios divergiram dos macacos, nosso ramo da árvore da vida perdeu a cauda. Desde a época de Darwin, os cientistas se perguntam por que - e como - isso aconteceu.

PUBLICIDADE

Agora, os pesquisadores identificaram pelo menos um dos principais ajustes genéticos que levaram a essa mudança.

“Encontramos uma única mutação em um gene muito importante”, disse Bo Xia, geneticista do Broad Institute e coautor de um estudo publicado na quarta-feira na revista Nature.

Os pesquisadores compararam os genomas de seis espécies de símios, incluindo os humanos, e 15 espécies de macacos com cauda para identificar as principais diferenças entre os grupos. Depois de identificar uma mutação significativa, eles testaram sua teoria usando a ferramenta de edição de genes CRISPR para ajustar o mesmo ponto em embriões de camundongos. Esses camundongos nasceram sem cauda.

Xia advertiu que outras alterações genéticas também podem desempenhar um papel na perda de caudas.

Outro mistério: o fato de não ter cauda realmente ajudou esses ancestrais dos macacos - e, por fim, os humanos - a sobreviver? Ou foi apenas uma mutação casual em uma população que prosperou por outros motivos?

Quanto ao motivo pelo qual a ausência de cauda pode ter ajudado, há muitas teorias tentadoras, inclusive algumas que associam a ausência de cauda ao fato de os seres humanos terem aprendido a andar eretos Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 24/11/2020

“Pode ser um acaso aleatório, mas pode ter trazido uma grande vantagem evolutiva”, disse Miriam Konkel, geneticista evolucionária da Universidade Clemson, que não participou do estudo.

Publicidade

Quanto ao motivo pelo qual a ausência de cauda pode ter ajudado, há muitas teorias tentadoras, inclusive algumas que associam a ausência de cauda ao fato de os seres humanos terem aprendido a andar eretos.

Rick Potts, que dirige o Projeto Origens Humanas da Smithsonian Institution e não participou da pesquisa, sugere que a ausência de cauda pode ter sido o primeiro passo para que alguns macacos adotassem uma postura corporal vertical, mesmo antes de deixarem as árvores.

Nem todos os macacos vivem no chão atualmente. Os orangotangos e os gibões são macacos sem cauda que ainda vivem em árvores. Mas Potts observa que eles se movimentam de forma muito diferente dos macacos, que correm pelo topo dos galhos, usando suas caudas para se equilibrar. Esses macacos se penduram abaixo dos galhos, balançando entre eles enquanto se mantêm praticamente na posição vertical.

O biólogo Itai Yanai, da Universidade de Nova York, coautor do estudo, disse que a perda de nossas caudas foi claramente uma transição importante. Mas a única maneira de saber com certeza o motivo “seria inventar uma máquina do tempo”, disse ele. /AP

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.