PUBLICIDADE

Carta de Frida Kahlo que expõe traição de Diego Rivera com irmã da pintora viraliza; leia íntegra

Texto, datado de 1953, foi escrito quando pintora teve a perna amputada no ano anterior à sua morte

Foto do author Sabrina Legramandi
Por Sabrina Legramandi
Atualização:

Uma carta que a pintora mexicana Frida Kahlo escreveu ao ex-marido, o também pintor Diego Rivera, expondo as constantes traições do artista viralizou nas redes sociais. Em um trecho, compartilhado pelo perfil no TikTok @encontrandoforcas, que soma mais de 2 milhões de visualizações, Frida escreve que Diego chegou a traí-la com a própria irmã da pintora, Cristina Kahlo.

PUBLICIDADE

“Não tenho medo da dor e você sabe disso. É quase inerente ao meu ser, embora confesse que sofri, e muito, quando você me traiu, todas as vezes que fez isso, não só com minha irmã, mas com tantas outras mulheres”, diz Frida. Ela descreve ter ficado “possessa por Cristina”, mas confessa que “não foi por ela, foi por você e por mim”.

“Antes de tudo, por mim, porque nunca consegui entender o que você queria e procurava, o que elas te davam e eu não sabia dar”, prossegue a artista. “Não nos enganemos, Diego, eu te dei tudo o que é humanamente possível oferecer e nós dois sabemos disso. Mas ainda assim, como diabos você consegue seduzir tantas mulheres sendo um filho da p*** tão feio?”, finaliza no trecho viral.

Trecho de carta de Frida Kahlo expondo traição de Diego Rivera viralizou no TikTok. Foto: Reprodução de vídeo/TikTok/@encontrandoforcas

Datada de 1953, o texto foi escrito por Frida um ano antes de sua morte, quando a cantora estava prestes a ter uma das pernas amputada. A carta está exposta no livro Cartas Extraordinárias, seleção de Shaun Usher com cartas de celebridades e anônimos, e no blog Letters of Note, também do autor.

Na íntegra do texto, a pintora descreve estar escrevendo no hospital, antes de ser internada para uma cirurgia. “Quando me disseram que seria necessário amputar, a notícia não me afetou como todos esperavam. Não, eu já era uma mulher mutilada quando perdi você, de novo, talvez pela enésima vez, e ainda assim sobrevivi”, diz a artista.

Mais adiante, Frida esclarece que não escreveu a carta para que o ex-marido “se sinta culpado” ou tenha “pena” e pede para que o artista não a procure mais. “Estou escrevendo para avisar que estou liberando você, estou amputando você. Seja feliz e nunca mais me procure. [...] Se há algo que eu gostaria antes de morrer, seria não ter que ver a p*** da sua horrível cara de bastardo vagando pelo meu jardim”, afirma.

Foto de Frida Kahlo e Diego Rivera, vendida em leilão em Nova York Foto: Nickolas Muray/EFE

Ela e Diego se casaram quando a artista tinha 22 anos e o companheiro, 43. A relação era conturbada, com traições dos dois. Frida chegou a trair o ex-marido com o revolucionário russo Leon Trotsky.

Publicidade

A artista também sofreu com inúmeros problemas de saúde ao longo da vida. Com 18 anos, ela se envolveu em um grave acidente de ônibus e teve múltiplas fraturas, além de passar por 35 cirurgias. Foi durante esse período que Frida começou a pintar.

Leia a carta de Frida Kahlo a Diego Rivera exposta no blog Letters of Note na íntegra:

“México, 1953

Meu caro Sr. Diego,

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Estou escrevendo esta carta de um quarto de hospital antes de ser internada na sala de cirurgia. Querem que eu me apresse, mas estou decidida a terminar de escrever primeiro, pois não quero deixar nada inacabado. Especialmente agora que sei o que eles estão fazendo. Eles querem ferir meu orgulho cortando uma perna. Quando me disseram que seria necessário amputar, a notícia não me afetou como todos esperavam. Não, eu já era uma mulher mutilada quando perdi você, de novo, talvez pela enésima vez, e ainda assim sobrevivi.

Não tenho medo da dor e você sabe disso. É quase inerente ao meu ser, embora confesse que sofri, e muito, quando você me traiu, todas as vezes que fez isso, não só com minha irmã, mas com tantas outras mulheres. Como elas se deixaram enganar por você? Você acredita que fiquei furioso com Cristina, mas hoje confesso que não foi por causa dela. Foi por minha causa e de você. Primeiro de tudo por minha causa, pois nunca consegui entender o que você procurava e procura, o que te dão e eu não consegui. Não nos enganemos, Diego, eu te dei tudo o que é humanamente possível oferecer e nós dois sabemos disso. Mas ainda assim, como diabos você consegue seduzir tantas mulheres sendo um filho da p*** tão feio?

A razão pela qual estou escrevendo não é para acusá-lo de nada além do que já acusamos um ao outro nesta e em muitas outras vidas sangrentas. É porque estou com uma perna cortada (caramba, acabou conseguindo o que queria). Eu disse que há muito tempo me considero incompleta, mas por que diabos todo mundo precisa saber disso também? Agora minha fragmentação será óbvia para todos verem, para você ver... É por isso que estou lhes contando antes que vocês ouçam boatos. Perdoe-me por não ter ido à sua casa para dizer isso pessoalmente, mas, dadas as circunstâncias e a minha condição, não tenho permissão para sair do quarto, nem mesmo para usar o banheiro. Não é minha intenção fazer com que você ou qualquer outra pessoa sinta pena, e não quero que você se sinta culpado. Estou escrevendo para avisar que estou liberando você, estou amputando você. Seja feliz e nunca mais me procure. Não quero ouvir de você, não quero que você ouça de mim. Se há algo que eu gostaria antes de morrer, seria não ter que ver a p**** da sua horrível cara de bastardo vagando pelo meu jardim.

Publicidade

Isso é tudo, agora posso ir ser cortada em paz.

Adeus de alguém que é louca e veementemente apaixonada por você,

Sua Frida”

*Estagiária sob supervisão de Charlise de Morais

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.