Demônio, cupido, jovem escravizado: quadros restaurados revelam segredos escondidos por séculos

Além de resgatar a beleza, cores e detalhes obscurecidos pelos anos, trabalhos recuperam fragmentos perdidos da história

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

Os segredos do passado desvendados pela restauração. Figuras antes apagadas e encobertas pelo tempo - ou por mãos humanas - voltam à superfície após séculos. Isso foi o que aconteceu com ao menos três grandes obras nos últimos anos. Um demônio escondido, um cupido encoberto e um garoto escravizado oculto.

PUBLICIDADE

Ao desvendar esses quadros desgastados, especialistas revelam capítulos omitidos da história da arte. Eles vão além de resgatar a beleza, cores e detalhes obscurecidos pelos anos: recuperam fragmentos perdidos nas garras do esquecimento. E eles podem ser cruciais para decifrar o passado, entender o presente e escrever o futuro.

Veja três obras de arte restauradas que revelaram segredos:

‘Demônio escondido’ em A morte do Cardeal Beaufort

Camadas de tinta e verniz escondem uma figura indesejada de uma pintura de Sir Joshua Reynolds. Ou melhor, escondiam. O quadro, que retrata uma cena da peça de Shakespeare Henrique VI, Parte 2, gerou controvérsia quando foi exibida pela primeira vez em 1789, por causa de um demônio que se esgueirava na sombras.

A criatura da obra A morte do Cardeal Beaufort ressurgiu após um projeto de restauração do National Trust, uma instituição de caridade inglesa de conservação. Incluir a figura sinistra na tela desagradou ao público em relação ao que então era adequado para a arte.

Alguns disseram à época, em 1789, quando a pintura foi exibida na Shakespeare Gallery, que demônio não deveria ter sido incluído porque não era um personagem da peça de Shakespeare. “Não era apropriado representar algo que é uma espécie de outro mundo dessa forma física”, disse Emily Knight, curadora de propriedades da Petworth House and Park em West Sussex, Inglaterra, onde a obra está em exposição, ao explicar o argumento usado no século 18.

Foram necessários seis meses para que a restauradora, Sophie Reddington, descobrisse o demônio e desse vida ao restante da pintura. VEJA AQUI A REPORTAGEM COMPLETA SOBRE A RESTAURAÇÃO DE A MORTE DO CARDEAL BEAUFORT.

Publicidade

Antes e depois de restauração do quadro 'A Morte do Cardeal Beaufort'. Foto: National Trust via The New York Times

Jovem escravizado em Bélizaire and the Frey Children

Uma pintura do século 19 revelou um segredo por décadas oculto: sob uma camada de tinta simulando o céu, estava a figura de um jovem escravizado na Louisiana. Restaurada em 2005, a obra, chamada Bélizaire and the Frey Children e atribuída a Jacques Amans, um retratista francês, foi adquirida pelo Metropolitan Museum of Art.

A curadora Betsy Kornhauser destaca a representação naturalista do jovem afrodescendente, evidenciando a postura poderosa em relação aos outros personagens - brancos. Ele ocupa uma posição mais alta, com bochechas coradas e uma espécie de interioridade incomum para a época. LEIA AQUI A REPORTAGEM COMPLETA.

Num díptico de imagens cedidas por Selina McKane (à esquerda) e Christies, a pintura 'Bélizaire and the Frey Children', atribuída a Jacques Amans, após restauro, e como ficou depois de pintada a figura de um jovem escravo negro por volta de 1900. Foto: Selina McKane/Christies via The New York Times

O Cupido nu de Vermeer

Foram quase três séculos atrás de uma camada de tinta, removida em um projeto de restauração que Stephan Koja, diretor da Old Masters Picture Gallery em Dresden, na Alemanha descreveu como “uma história de detetive e uma aventura”.

O trabalho revelou o dourado e rechonchudo cupido em Moça lendo uma carta à janela, de Johannes Vermeer. O quadro, que já era um dos trabalhos de arte mais amados do mundo, teve o fundo alterado drasticamente pela descoberta da calma cena interior. VEJA A REPORTAGEM COMPLETA SOBRE A RESTAURAÇÃO DA OBRA.

A imagem de um Cupido ficou escondida em 'Moça Lendo uma Carta à Janela' por quase 300 anos Foto: Coleção Estatal de Arte de Dresden
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.