Geóloga afirma ter desvendado o mistério sobre onde a Mona Lisa foi pintada por Leonardo da Vinci

Elementos do cenário pintado pelo artista da Renascença são motivo de especulação entre historiadores da arte há anos; especialista usou a ciência para chegar a uma resposta sustentada por evidências

Foto do author Gabriela Caputo
Por Gabriela Caputo

O mistério sobre a paisagem montanhosa que aparece ao fundo da Mona Lisa, revelando onde a obra foi pintada, parece ter sido finalmente solucionado. Ann Pizzorusso, geóloga e historiadora da arte renascentista, acredita ter encontrado a resposta para as intermináveis especulações sobre o cenário registrado por Leonardo da Vinci.

Mona Lisa, de Leonardo da Vinci. Foto: Alfredo Garcia Saz/ADOBE STOCK

PUBLICIDADE

Combinando suas duas especializações, Ann Pizzorusso sugere que da Vinci pintou elementos reconhecíveis de Lecco, comuna localizada às margens do Lago Como, na Lombardia, região do norte da Itália.

Atrás da Mona Lisa há uma ponte, uma cordilheira e um lago. Para a geóloga, trata-se da ponte Azzone Visconti, construída no século 14 em Lecco, dos Alpes do sudoeste e do lago Lac de Garlate – é sabido que o artista visitou o local há 500 anos.

Ao longo dos anos, surgiram diversas teorias sobre o local onde Mona Lisa teria sido pintada. Trata-se de um debate persistente entre historiadores da arte: alguns dizem que a paisagem é imaginária, inventada pelos pincéis de da Vinci; outros apontam correspondência a localidades do território italiano, ressaltando o quanto o artista valorizava a precisão científica.

Em 2011, afirmaram que elementos como a ponte e uma estrada observadas na pintura seriam de Bobbio, outra comuna do norte italiano. Já em 2023, a aposta foi que da Vinci havia pintado uma ponte de Arezzo, na Toscana. Nenhuma das duas cidades, porém, contam com um lago.

Ao The Guardian, Pizzorusso disse que identificar a ponte não garante nada, por ser uma construção cujo formato era onipresente na Europa da época. “Todos falam da ponte e ninguém fala da geologia”, afirmou ela. Outro elemento distingue-se na identificação do local: as rochas existentes em Lecco são calcárias, e Leonardo, de fato, pintou rochas em um tom branco-acinzentado, bastante fidedigno.

Para sua pesquisa, a geóloga visitou Lecco seguindo passos de Leonardo registrados em seus cadernos. O artista passou bastante tempo explorando o território mais ao norte, explica Pizzorusso. Ela apresentou suas evidências em uma conferência de geologia realizada no último fim de semana em Lecco.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.