A falta de posição autoral limita 'Axé - Canto do Povo de Um Lugar' ao empilhamento de depoimentos

Documentário tem muitos depoimentos, mas falta um eixo mais analítico

PUBLICIDADE

Foto do author Luiz Zanin Oricchio
Por Luiz Zanin Oricchio
Atualização:

Documentários podem ser criativos, informativos e/ou analíticos. Os melhores somam essas vertentes, que se alimentam e iluminam entre si. 

Daniela. 'Não foi só assistir, foi reviver tudo'. Foto: Divulgação/Macaco Gordo

PUBLICIDADE

Quando ficou claro que só Coutinho sabia fazer um filme à maneira de Coutinho, houve uma mudança de rumos e o documentário brasileiro, se não abandonou de todo a entrevista, passou a investir em outras técnicas, em especial a observação e, muitas vezes, a participação do diretor naquilo que está filmando, forma de questionar a “objetividade” daquilo que está sendo registrado. 

De certa forma, Axé é um documentário à moda antiga. E contém todos os seus vícios. A começar por essa discutível noção de objetividade, que seria garantida pela multiplicação de vozes a prestar depoimentos. A falta de contradições internas parece dizer que o filme não deseja indispor-se com ninguém. Todos devem ter seu espaço e será preciso dar impressão de que o discurso é uno e sem dissonâncias. Em meio às vozes do axé, buscam-se critérios de autoridade na palavra dos dois baianos acima do bem e do mal - Caetano Veloso e Gilberto Gil. Funcionariam como traços de união de discursos fragmentários, conferindo legitimidade a um gênero musical que, se foi de fato grande sucesso de público, não passou incólume a críticas e detratores.  Por exemplo, ao se tornar dominante, que efeito teria o axé sobre manifestações musicais brasileiras mais sofisticadas? Outro ponto a ser explorado: o branqueamento da axé music, que passa de manifestações afro-baianas a uma tipologia mais aceita pela classe média, mais domesticada e menos vista como agressiva. São temas que poderiam ser mais explorados caso o filme desejasse ser mais que mera homenagem a um gênero e seus cultores.

Mas, para fazer isso, precisaria adotar um ponto de vista, o do autor, e não diluí-lo entre seus inúmeros depoentes. Falta-lhe esse norte, essa bússola autoral. Além do mais, há esse pecado capital para um documentário musical: não se ouve, a não ser durante a apresentação dos créditos finais, uma única composição inteira ao longo do filme. A presença de música seria importante porque, afinal, o espectador pode ficar curioso em saber como o axé surgiu e no que se transformou ao longo do tempo. E isso não se faz com discursos, mas com a simples exposição musical das mudanças. Não à toa um documentário excelente como Uma Noite em 67, de Ricardo Calil e Renato Terra, desvenda o mundo dos festivais e o contexto político e social que lhe dava sentido através da mera apresentação dos números musicais. Sem falar no sublime atingido por A Música Segundo Tom Jobim, de Nelson Pereira e Dora Jobim, que ilumina o universo do maestro e do Rio de sua época sem qualquer depoimento. Apenas música e imagens. Ressalvas feitas, Axé cumpre seu papel informativo, embora essa informação não seja depurada ou contextualizada. Alternando redundância e bons momentos, falta-lhe eixo, um pensamento sobre o assunto; em suma, a posição do autor, que lhe daria um sentido passível de ser discutido, é a maior ausência.