PUBLICIDADE

Como críticos gringos avaliam Bruna Marquezine em ‘Besouro Azul’? ‘NYTimes’ ironiza química de casal

‘Estadão’ fez levantamento baseado em 33 críticas dos principais veículos de cinema do mundo. Entre os poucos comentários específicos sobre a atriz, maioria tem tom negativo; leia

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A aguardada estreia internacional de Bruna Marquezine acontece, finalmente, nesta quinta-feira, 17. A atriz tem papel de destaque em Besouro Azul, longa da DC estrelado por Xolo Maridueña, como Jenny, o interesse romântico do herói da história.

O longa e a atuação da brasileira, porém, não foram unanimidades entre os principais veículos de cinema do mundo. Com base no Metacritic, site que reúne as principais críticas em jornais estrangeiros, o Estadão fez um levantamento sobre o que está sendo dito sobre a estreia de Bruna.

Cena de Bruna Marquezine em 'Besouro Azul' Foto: Warner Bros. Pictures/Divulgação

PUBLICIDADE

Das 33 publicações listadas no site até a manhã desta quinta-feira, 17, apenas quatro citam diretamente a atuação da brasileira – destas, três fazem comentários negativos e um, positivo.

O filme Besouro Azul, no geral, teve uma avaliação mediana da crítica estrangeira. O Metacritic atribui uma nota de 0 a 100 baseado no texto de cada crítica, e depois faz uma média geral. A nota média do longa da DC, até agora, é de 60.

Veja, abaixo, o que os críticos estrangeiros estão dizendo sobre a estreia internacional de Bruna Marquezine em Besouro Azul.

New York Times ironiza química de casal protagonista

O The New York Times, em uma crítica pouco favorável ao filme, ironizou a química entre a personagem vivida pelo atriz, Jenny, e o herói de Xolo. Sobre o ator, o jornal escreveu que falta “carisma e humor” a serem transmitidos pelo artista ao personagem, chegando a dizer que Xolo possui “uma cara de bebê” e “olhos de cachorrinho”.

Publicidade

“Ele e Marquezine – elegante em terninhos casuais – têm a química romântica de um picles com um pote de maionese”, escreveu a publicação, comparando a química do casal protagonista à de duas coisas inanimadas e banais, que não transmitem emoção.

IndieWire diz que Bruna teve ‘pouco a fazer’

O IndieWire avaliou o filme com uma nota “C”. No texto, o site diz que Bruna “teve pouco a fazer em seu primeiro papel em Hollywood”. Outras publicações também citaram o mesmo fato, reclamando da falta de profundidade dos personagens - nestes casos, apontando falhas mais no roteiro do que nas atuações.

[Bruna Marquezine] teve pouco a fazer no seu primeiro papel em Hollywood além de dar uma de durona e parecer adulta e sofisticada demais para se apaixonar por um moleque como Jaime [papel de Xolo].”

Site de Roger Ebert criticou ‘exagero’ em atuação da artista

O site fundado pelo renomado crítico Roger Ebert, que morreu em 2013, deu três estrelas em cinco ao filme. A atuação de Bruna, porém, não comoveu a crítica, que também citou a falta de química entre Jenny e Jaime.

A diferença, em relação ao The New York Times, é que a publicação atrelou esse fato a um “exagero” na atuação da artista. “Jenny e Jaime não têm a menor química, em parte porque Marquezine não consegue não exagerar, levando cada expressão facial ao limite.”

The Hollywood Reporter discorda e diz que casal tem ‘química adorável’

A The Hollywood Reporter elogiou o longa, em geral. A crítica celebrou o elenco, dizendo que os atores são “cativantes” com “contribuições valiosas”. O destaque foi para Belissa Escobado, que interpreta a irmã do personagem de Xolo, e para Bruna.

A revista foi na contramão das outras publicações ao ser a única entre as 33 compiladas até agora no Metacritic a elogiar diretamente Bruna, com uma avaliação positiva da química entre o casal protagonista.

Publicidade

“Todo o elenco de apoio é muito cativante, com contribuições valiosas, especialmente de Escobado como a esperta Milagro e Marquezine como Jenny – cuja vontade de viver perto de uma família amorosa a atrai para o clã Reyes e impulsiona seu romance com Jaime. Juntos, eles têm uma química adorável”, escreveu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.