PUBLICIDADE

Acusação não comprova abuso, diz defesa de Jackson

Família acusadora tentou dar "o maior golpe de sua carreira", disse o advogado de defesa do astro em seu argumento final Veja Galeria

Por Agencia Estado
Atualização:

A família que acusa Jackson de abuso sexual de menor e de outros crimes está tentando dar "o maior golpe de sua carreira", disse o advogado de defesa do astro pop aos jurados nesta sexta-feira, na conclusão de seu argumento final, iniciado ontem. "Senhoras e senhores, é preciso apenas uma mentira sob juramento para jogar esse caso fora da corte", disse o advogado Thomas Mesereau Jr. ao júri. "Vocês não podem contar todas as mentiras sob juramento (ditas pela família do acusador). Quantas são necessárias para que vocês saibam que este caso é uma fraude?" O júri também viu mais uma vez uma fita em que Jackson, que não testemunhou, explicou porque ele passa tanto tempo com crianças. "Eu nunca fui traído ou enganado por crianças. Adultos me decepcionaram", ele disse. Depois de exibir meia hora de fitas, Mesereau encerrou sua argumentação, dizendo que Jackson foi descuidado com seu dinheiro e que deixou pessoas erradas perto dele, mas que não era culpado de nenhum crime. "Isto tem sido um pesadelo para senhor Jackson", concluiu o advogado. O promotor Ron Zonen tomou a palavra, então, para rebater as alegações da defesa. Depois disso, o júri deverá receber as instruções finais do juiz e partir para deliberar. Jackson pareceu abatido nos últimos dias e funcionários do Hospital Santa Ynez Valley Cottage, em Solvang, confirmaram hoje que o cantor havia passado por lá durante a noite. "Ele passou pela emergência em nosso hospital de Solvang, que é o mais perto da casa dele, mas ele não ficou", disse a porta-voz Janet O´Neill. Ela disse que não poderia falar mais "por razões de privacidade". Uma porta-voz de Jackson disse na manhã de hoje que o cantor estava desidratado, mas negou que ele tenha sido hospitalizado. Jackson, de 46 anos, é acusado de molestar o menino em 2003, embebedá-lo com vinho e conspirar para mantê-lo preso, junto com sua família, para que participassem da gravação de um vídeo em resposta ao documentário Vivendo com Michael Jackson. O caso Jackson foi interrompido duas vezes por problemas de saúde do cantor, que precisou ser hospitalizado por causa de uma forte gripe e por dores nas costas. Hoje, Jackson parecia cansado, mas chegou ao tribunal na hora certa, acompanhado de seus pais e de outros membros de sua família. Jackson segurou o braço de sua mãe enquanto entrava no tribunal. "Michael é inocente!" gritavam em coro as cerca de 75 pessoas que se reuniram na porta do prédio. Em seu argumento final, ontem, Zonen disse que Jackson levou o acusador, então com 13 anos, "ao mundo do proibido". Ele disse que Jackson acabou com as inibições do menino dando-lhe álcool e mostrando materiais pornográficos, antes de molestá-lo em seu quarto, no rancho Neverland. Zonen se centrou nas alegações de que Jackson tem um histórico de comportamento inadequado com meninos e descreveu o rancho de Neverland como a jaula de um predador. Mesereau contra-atacou dizendo ao júri que os promotores descreveram Jackson como um pedófilo colecionador de pornografia e que gosta de beber para "sujar" o astro pop porque eles não conseguiram provar que ele havia abusado do menino. Mesereau atacou diretamente a honestidade do menino hoje, dizendo que um processo no qual a família dele conseguiu US$ 152 mil da loja J.C. Penney começou quando o menino foi pego roubando. Ele ressaltou que o menino declarou em juízo que seus pais nunca haviam brigado, mas que ele, seu irmão e sua irmã e a mãe disseram que haviam apanhado do pai por muitos anos. "Este menino mentir nesta idade? Nove, dez anos?", disse o advogado. Enquanto os promotores tentaram sugerir que o pai do menino era responsável pelos golpes e fraudes da família, disse Mesereau, o menino constantemente pedia dinheiro. A mãe era sofisticada, disse Mesereau, se divertindo com seus alvos. "Ela conhece você, ela abraça você, ela ama você", disse Mesereau. "Aí ela conta uma história de lamentações e pega o dinheiro". O advogado de Jackson acusou o menino de constantemente mentir sob juramento. Ele ressaltou que o menino testemunhou que tanto Jackson como a avó dele disseram que se os homens não se masturbassem eles poderiam acabar estuprando mulheres. "Quais as chances de Michael e a avó dele terem dito, palavra por palavra, a mesma coisa?", questionou Mesereau. Mesereau disse que a família tem uma história de fazer alegações de abuso. Ele disse que o menino certa vez acusou a própria mãe de abusar dele; a irmã dele acusou o pai de abuso; e a mãe acusou seguranças de uma loja de abuso. "Essas crianças estão sendo criadas para inventarem alegações", disse Mesereau. Um total de 260 pessoas se inscreveram em um sorteio pelos lugares disponíveis na área pública do tribunal e 45 foram escolhidas, e terão acesso à audiência de hoje e ao veredicto. Jackson pode ficar preso por 20 anos se for condenado de todas as acusações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.