Morre Maria Lata D’Água, ex-passista que inspirou antigo samba de carnaval; conheça a história

Ela estava com 90 anos e morava no interior de São Paulo. Depois de viver na Europa por 30 anos, Maria havia se tornada uma missionária

PUBLICIDADE

Foto do author Danilo Casaletti
Por Danilo Casaletti

Morreu nesta sexta-feira, 23, a missionária Maria Mercedes Chaves Roy, conhecida como Maria Lata D’Água. A informação foi divulgada pela Canção Nova, comunidade católica da qual Maria fazia parte desde o início dos anos 2000. Segundo informações, ela morreu de causas naturais.

Maria Mercedes, a inspiradora do samba 'Lata D'Água' Foto: Arquivo Canção Nova

PUBLICIDADE

Nascida em Diamantina, em Minas Gerais, Maria desde pequena ajudava a mãe a pegar água em uma bica próxima de sua casa. Aos 11 anos, se mudou para o Rio de Janeiro com a mãe. Aos 13 anos, fugiu de casa e passou a viver nas ruas, onde se prostituiu.

Levada a um circo, passou a se apresentar sambando com uma lata de água de 20 litros na cabeça. Apresentou-se no programa do Chacrinha e ganhou em primeiro lugar no quadro ‘Quem vai para o trono?’. Com a fama, trabalhou com o ator Grande Otelo e fez uma excursão para o Uruguai. Foi viver na Europa onde trabalhou em boates.

De acordo com Maria Mercedes, que contou sua história na autobiografia Lata D’Água Na Cabeça – Da Passarela ao Sacrário, lançada em 2017, ela teria sido a inspiração dos compositores Luís Antônio e Jota Júnior para o samba de carnaval Lata D’Água, de 1952.

No livro A Canção no Tempo – 85 anos de músicas brasileiras, os autores Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello, contam que compositores teriam visto Maria carregar a lata em um morro do Rio de Janeiro, por isso a referência na letra: “lata d’água na cabeça, lá vai Maria/sobe o morro e não se cansa/ pela mão leva a criança.

O samba foi oferecido à cantora Marlene que, em um primeiro momento, o recusou. Entretanto, ao gravá-lo, se tornou seu principal sucesso de carreira. O samba também foi gravado pelos cantores Elza Soares, Jair Rodrigues e Zeca Pagodinho.

Maria Mercedes com a lata de água na cabeça, já depois da fama Foto: Arquivo Canção Nova

Entre os anos 1950 e 1970, Maria desfilou pelas principais escolas de samba do carnaval carioca., como a Portela. Em 1977, casou-se com um suíço e viveu por muitos anos na Europa.

Publicidade

Em 2004, virou missionária da Canção Nova e foi morar na cidade de Cachoeira Paulista, no interior de São Paulo.

Em uma entrevista em 2017, Maria definiu sua vida como “triste” até se encontrar com a missão religiosa que abraçou.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.