EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Economista e diretor-presidente da MCM Consultores

Opinião|Como a crise chinesa afetará a economia brasileira?

O importante é avaliar a gravidade e a duração da crise da China, pois efeitos podem ser distintos ou até mesmo opostos

PUBLICIDADE

Em meu último artigo neste espaço, alertei para os riscos externos que poderiam criar problemas para o Brasil em 2024. Na ocasião, destaquei a crise econômica na China. Volto ao tema para detalhar como isso pode afetar a economia brasileira, principalmente a política monetária.

PUBLICIDADE

Na verdade, a economia chinesa já está em crise. Dados sobre tráfego de carga nas ferrovias, consumo de energia, comércio exterior, preços dos ativos (ações e imóveis) não parecem compatíveis com o anúncio do governo chinês de que conseguiu atingir a meta de crescimento real de 5,5% para o PIB, em 2023.

Para o Brasil, o importante é avaliar a gravidade e a duração da crise chinesa pois, dependendo dessas características, os efeitos sobre nossa economia serão distintos ou até mesmo opostos.

China está em deflação e seu principal índice de ações, Shanghai Composite, caiu 20% nos últimos 2 anos Foto: Ng Han Guan/AP Photo

Se a crise chinesa se mantiver moderada, poderá até mesmo ter alguns efeitos benignos para o Brasil. Por exemplo, um estudo realizado pela LCA Consultores, utilizando modelo estatístico com excelente capacidade preditiva, demonstrou que, se as projeções de consenso para a taxa de câmbio nos próximos dois anos (R$ 4,95 a R$ 5,00) e para as cotações das principais commodities se confirmarem, os preços ao produtor (IPA), apurados pela Fundação Getulio Vargas, deverão registrar deflação de 3% em 2024 e de 1,6% em 2025. Isso, que não está contemplado nas expectativas do mercado financeiro, certamente ajudaria a convergência da inflação ao consumidor (IPCA) para as metas, neste e no próximo ano.

No entanto, é possível que a crise chinesa seja severa, com quedas mais fortes e persistentes da taxa de crescimento, mesmo que as estatísticas oficiais referentes ao PIB não demonstrem isso claramente. Nesse caso, o crescimento da aversão ao risco e a queda do apetite externo para aplicar recursos em países emergentes exportadores de commodities, como o Brasil, poderiam provocar depreciação cambial bem mais intensa, superando a queda das cotações internacionais das commodities, principalmente agrícolas, que têm baixa elasticidade-renda.

Publicidade

Nessa hipótese, tenderia a prevalecer o efeito inflacionário da taxa de câmbio, dado que esta afeta não somente o preço dos alimentos, mas também partes, peças, matérias-primas e vários bens de consumo final. Tudo o mais constante, seria o pior dos mundos para o Brasil: mais pressões inflacionárias e menos crescimento econômico.

O cenário delineado no parágrafo anterior não me parece o de maior probabilidade, mas é perfeitamente possível, especialmente se Donald Trump vencer a eleição presidencial nos Estados Unidos. Robert Lighthizer, um dos mais importantes assessores para política comercial do provável candidato republicano, é um inimigo feroz da China.

Para lidar com risco externo dessa magnitude, ao Brasil cabe praticar política fiscal responsável e gradualismo na flexibilização monetária.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.