EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Em guerra na arbitragem, TIM e C6 mantêm acordo comercial sem cooperação

Tele e banco firmaram contrato em 2020, mas entraram em disputa no ano seguinte

PUBLICIDADE

Foto do author Matheus Piovesana
Por Matheus Piovesana
O C6 buscou romper o contrato com a TIM diante da falta de divulgação da promoção, de acordo com fontes. Foto: Helga Martins/ Divulgação C6 Bank

Enquanto o C6 Bank e a TIM tentam resolver em arbitragem o futuro da parceria firmada em 2020, o acordo continua de pé, mas com relações ruins entre as partes. A tele ainda tem de remeter clientes ao banco, mas no dia a dia, não há cooperação entre ambos, que travam uma guerra no procedimento arbitral.

PUBLICIDADE

A TIM tem hoje participação de 1,44% no C6, mas não pode movimentá-la enquanto a arbitragem não chegar a um resultado, e essa participação pode eventualmente ser extinta em caso de decisão favorável ao banco. Também não pode exercer as opções a que teria direito, e que lhe dariam uma fatia de 5,88% no capital da instituição financeira.

O acerto original previa que clientes da TIM que abrissem contas no C6 e usassem serviços teriam ofertas exclusivas. A TIM recebe uma comissão por contas ativas, e ao atingir determinadas metas, ganha opções para subscrever ações do banco digital.

A divulgação é o ponto central da arbitragem: o C6 alega que a TIM “escondeu” a promoção dos clientes, e que portanto, os benefícios do banco com o acordo não se materializaram. Houve uma campanha grande quando a parceria começou, mas depois, de acordo com fontes, a promoção praticamente sumiu.

Sob esse argumento, o C6 pediu o fim do contrato em 2021, e a tele recorreu à arbitragem, que corre em sigilo, para mantê-lo de pé. Procurada, a TIM não comentou. O C6 informou que a arbitragem é confidencial, e que não há decisão definitiva sobre o caso.

Publicidade

Divulgação tem acontecido apenas através de SMS

Fontes a par do assunto afirmam que a divulgação da tele tem se limitado ao envio de mensagens de texto aos clientes, de forma insistente, o que acaba respingando na imagem do banco. Essa divulgação estaria em desacordo com o que o C6 buscava no acordo original. Nas redes, são comuns reclamações de usuários sobre o envio das mensagens. Em algumas delas, perfis oficiais do C6 respondem que os SMSs são disparados a critério da TIM, sem nenhum controle por parte do banco.

Um interlocutor afirma que a situação é sui generis: trata-se de uma arbitragem que questiona os termos estruturais de um contrato enquanto ele é mantido vigente, com duas partes em guerra tendo de manter o relacionamento comercial.

Como mostrou a Coluna na semana passada, a arbitragem iniciada em 2021 tem se estendido além do previsto, com novas audiências marcadas para abril. De acordo com interlocutores, essa demora é fruto da complexidade das discussões, mas também do grau de belicosidade entre as duas empresas.

Este texto foi publicado no Broadcast no dia 25/12/23, às 16h42

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.