Publicidade

COP-27: agronegócio pede que governo cobre avanço no mercado de carbono

Expectativa é de que sejam reafirmadas as metas climáticas do Acordo de Paris e que sejam apresentadas medidas claras para viabilizar o setor de carbono, visto como de alcance bilionário no Brasil

Foto do author André Borges
Por André Borges
Atualização:

BRASÍLIA - A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) entregou ao governo federal nesta terça-feira, 18, o posicionamento do setor agropecuário que será levado à 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-27), em novembro. Na lista de prioridades, o agro nacional pretende cobrar medidas que permitam a efetiva operacionalização do mercado de carbono – com potencial bilionário e que promete movimentar a economia verde no mundo nos próximos anos.

Detalhes da proposta foram apresentadas pelo presidente da CNA, João Martins, aos ministros Marcos Montes (Agricultura), Joaquim Leite (Meio Ambiente) e Carlos França (Relações Exteriores). No documento, o setor diz que é preciso “evoluir no entendimento das partes (países) sobre como operacionalizar os mecanismos de mercado de carbono” e recomenda, aos negociadores brasileiros, atenção sobre a “qualificação dos créditos de carbono negociáveis entre os países e as regras de aplicação do mercado global”.

Agronegócio afirma que vai atuar para cumprir metas climáticas assumidas pelo Brasil em relação ao Acordo de Paris  Foto: Alex Tristante

PUBLICIDADE

Em linhas gerais, um crédito de carbono é uma espécie de certificado que atesta que uma tonelada de carbono deixou de ser emitida na atmosfera. Ele podem ser gerados mediante a regeneração de áreas desmatadas, preservação de florestas, geração de energia a partir de resíduos, entre outros.

“A Confederação entende como fundamental estimular o desenvolvimento de projetos que gerem reduções e estoques de carbono e que gerem créditos de carbono que sejam aceitos no mercado regular”, afirmou a CNA.

No Brasil, um grupo de empresas começou a se preparar para atuar com o crédito voluntário de carbono, que é aquele em que não existe uma obrigação na lei de cumprimento de metas. Um estudo da consultoria McKinsey aponta que o Brasil pode dominar 15% desse setor até o fim desta década. A consultoria apontou que esse mercado pode movimentar cerca de US$ 2 bilhões no Brasil, ou mais de R$ 10 bilhões, já em 2030.

O encontro prévio de representantes do agro com o governo faz parte da construção da pauta que o Brasil deverá apresentar na conferência. No encontro, o setor reafirmou os principais compromissos ambientais assumidos pelo Brasil, como a redução de gases de efeito estufa em 37% até 2025 e de 50% até 2030, em relação ao volume que foi emitido pelo País em 2015.

Faz parte do rol de compromissos alcançar o desmatamento ilegal zero até 2028, chegando à neutralidade de emissões de gases até 2050. Essas são as metas assumidas pelo Brasil no Acordo de Paris, por meio de sua Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, da sigla em inglês).

Publicidade

O Brasil ainda tem o compromisso de reflorestar até 18 milhões de hectares de floresta para uso múltiplo até 2030 e de alcançar entre 45% e 50% de sua geração de energia baseada em fontes renováveis até 2030.

O documento da CNA foi construído a partir de posicionamentos da base de produtores rurais, federações estaduais de agricultura e pecuária e sindicatos rurais. O presidente da CNA, João Martins, disse que os “5 milhões de proprietários rurais brasileiros estão prontos a desempenhar seu papel dentro das ambiciosas contribuições nacionalmente determinadas, propostas pelo Brasil junto ao Acordo de Paris”.

A COP-27 ocorre entre 7 e 18 de novembro e será realizada no Egito. Há expectativa de que aumente a pressão internacional pelo cumprimento de cada meta, devido à divulgação de um relatório mais detalhado do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) realizada em fevereiro deste ano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.