Publicidade

‘Gatonet’: Anatel multa pela primeira vez pessoa física por venda de TV Box pirata

Venda de produtos não homologados pelo órgão foi considerada grave, resultando em multa de R$ 7,68 mil

Foto do author Redação
Por Redação

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou na terça-feira, 31, que seu Conselho Diretor decidiu multar, pela primeira vez, uma pessoa física por comercializar o aparelho conhecido como TV Box pirata - ou seja, que não tem homologação do órgão. Esses aparelhos são usados para a prática conhecida como “gatonet”, permitindo acesso ilegal ao sinal da TV por assinatura e aos conteúdos de serviços de streaming. A multa aplicada foi de R$ 7,68 mil.

PUBLICIDADE

Alexandre Freire, conselheiro e relator da matéria, destacou a gravidade da infração de comercializar equipamentos sem a devida homologação, pois, segundo ele, a circulação desses produtos estimularia o consumo ilegal de material protegido por copyright, ofendendo direitos de propriedade intelectual e prejudicando indevidamente segmentos diversos da economia.

O relator também apontou que a Anatel e outras instituições têm tomado medidas para combater a pirataria. “Os resultados obtidos até o momento têm se mostrado relevantes para a sociedade brasileira, com um enforcement que compreende tanto as plataformas de marketplace quanto os fornecedores pessoas físicas”, disse. “Essas ações se traduzem em melhor proteção à saúde e à segurança do consumidor e num aprimoramento do respeito à propriedade intelectual.”

Freire afirmou que sua análise se relaciona com metas dos objetivos 10 e 16 da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas, de melhora da regulamentação e do monitoramento dos mercados e de combate a todas as formas de crime organizado. Segundo a Anatel, a pirataria promove concorrência desleal e predatória, não raro com o patrocínio de organizações criminosas.

Conselho Diretor da Anatel decidiu multar, pela primeira vez, uma pessoa física por comercializar TV Box pirata.  Foto: Pablo Valadares/Agência Estado

O conselheiro ainda disse que temas como o combate à pirataria ganham tom estratégico em meio aos esforços do Brasil para ingressar na condição de membro na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Bloqueio

A Anatel anunciou no início do ano o bloqueio de aparelhos piratas do tipo TV Box, como parte de um plano de combate à pirataria. O TV Box é usado para possibilitar que televisores comuns tenham, além de sinal de TV aberta e TV por assinatura, acesso também à internet e aos aplicativos de streaming, com funcionamento semelhante a uma Smart TV. Esses aparelhos, no entanto, precisam ser homologados pela Anatel, para que o órgão se certifique de que eles cumprem com os padrões de qualidade e segurança previstos nos seus regulamentos.

Enquanto os produtos homologados funcionam dentro da legalidade, há também os aparelhos não homologados, usados como “gatonet”, que burlam os planos oferecidos pelas empresas. A Anatel afirma que produtos que não têm a homologação podem trazer riscos aos consumidores e que a agência inclusive já encontrou um software malicioso (malware) nesses aparelhos, capaz de capturar dados dos usuários que estejam armazenados em dispositivos conectados na mesma rede.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.